Operadores militares de drones podem vir a ter formação no estrangeiro

Visita à Unidade Militar de Emergência, em Espanha, permitiu saber da disponibilidade de receber formandos portugueses, mas nada está ainda decidido.

forcas-armadas,drones,marinha,politica,espanha,incendios-florestais,
Fotogaleria
Drones servem para prevenir incêndios Nelson Garrido
forcas-armadas,drones,marinha,politica,espanha,incendios-florestais,
Fotogaleria
General Serronha no Comando Conjunto para as Operações Militares, em Oeiras Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Também há drones para salvamento marítimo Nuno Ferreira Santos
forcas-armadas,drones,marinha,politica,espanha,incendios-florestais,
Fotogaleria
Pedrógão Grande visto de cima Nelson Garrido
forcas-armadas,drones,marinha,politica,espanha,incendios-florestais,
Fotogaleria
Zona ardida em 2017 Nelson Garrido

Os operadores dos drones podem vir a ter formação externa e adicional à actual ministrada pela Força Aérea Portuguesa (FAP), dada a multiplicidade de missões daquele ramo e a reconhecida escassez de meios humanos. Para já, o Comando Conjunto de Operações Militares, na dependência do Estado-Maior General das Forças Armadas, que passou a coordenar esse dossier após decisão de despacho do ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, procura aprender com o exemplo estrangeiro.

Sugerir correcção
Comentar