Matrimónio à italiana

Um registo 100% clássico interessado em trabalhar dentro de convenções narrativas que nunca são, por maiores ou menores circunvoluções a que sejam submetidas, desafiadas.

Um filme conformado ao teatro dos sentimentos
Fotogaleria
Um filme conformado ao teatro dos sentimentos
Um filme conformado ao teatro dos sentimentos
Fotogaleria
Um filme conformado ao teatro dos sentimentos
Um filme conformado ao teatro dos sentimentos
Fotogaleria
Um filme conformado ao teatro dos sentimentos
Um filme conformado ao teatro dos sentimentos
Fotogaleria
Um filme conformado ao teatro dos sentimentos

Encontrar Laura Morante e Silvio Orlando no elenco de Laços de Família, dois actores tão conotados com o universo de Nanni Moretti (sobretudo Orlando; mas Morante foi, há vinte anos, a mãe de O Quarto do Filho), lembra que, embora se pareçam ter dissipado muito, há contiguidades entre o cinema de Luchetti e do realizador de Palombella Rossa (a maior de todas: Il Portaborse” filme de 1991 que trouxe Moretti como actor protagonista ao cinema de Luchetti). E é verdade que Laços de Família, desenrolando-se no território da intimidade familiar, com ligeiras articulações com um comentário a diferentes tempos da sociedade italiana (entre os anos 80 e a época actual), não percorre caminhos totalmente estranhos aos que já vimos Moretti percorrer, de um filme como o citado O Quarto do Filho a algo mais recente como Minha Mãe. A diferença de fundo é, afinal, a diferença entre Moretti e Lucchetti: este último aponta, desde sempre (ou pelo menos desde há muito tempo), a um registo romanesco, se não 100% clássico interessado em trabalhar dentro de convenções narrativas que nunca são, por maiores ou menores circunvoluções a que sejam submetidas, propriamente desafiadas. E ao instalar-se aí, parece faltar sempre a Luchetti a força ou a inspiração para que as suas narrativas adquiram um peso que ultrapasse a relativa leveza da sua factura, e a pouco entusiasmante previsibilidade dos seus destinos.

Sugerir correcção
Comentar