Salgado (ex-DDT) e a extinção dos portugueses

Não posso conter esta injustiça: um arguido não tem direito a férias? Sê-lo dá muito trabalho: é ir ao tribunal, falar com advogados, estar em casa com pulseira...

Meu povo: chega! Não o do Ventura, com o qual até simpatizo, mas basta! Eu nem era para escrever, ainda por cima num jornal como este, quando podia escolher o Expresso do tio Balsemão, mas enfim… Disse-me o jardineiro que se se quer falar ao povo (nunca soube muito bem o que isso é, como é evidente) temos de nos baixar ao nível dele.