O que ainda há para ver na jornada olímpica

Portugueses na equitação e no atletismo, a despedida da ginástica, a estreia da escalada e decisões nos desportos colectivos

Foto
Reuters/MIKE BLAKE

A jornada olímpica deste 3 de agosto já deu a Portugal mais uma medalha, o bronze de Fernando Pimenta na canoagem. A terceira em Tóquio, numa madrugada em que Pedro Pichardo reforçou com solidez as expectativas que o apontam como outro dos candidatos ao pódio na comitiva nacional. A jornada já teve muito que contar mas há muito mais para acompanhar ao longo da manhã, num dia que atribui 24 títulos olímpicos.

A participação portuguesa nesta terça-feira completa-se com a participação da cavaleira Luciana Diniz na qualificação da prova de saltos de obstáculos, a partir das 11h, e logo depois com Francisco Belo, o atleta que é médico e espera terminar a participação em Tóquio sem voz, sinal de que lhe teria corrido bem a competição do peso masculino. A qualificação tem início às 11h15.

No Estádio Olímpico ainda haverá muito para ver. Depois das finais do comprimento feminino e dos 400m barreiras, esta com um incrível recorde do mundo de Karsten Warholm, há mais quatro finais no atletismo esta manhã. Às 11h20 decide-se o salto com vara masculino, uma competição que tem como claro favorito o sueco e recordista mundial Armand Duplantis  e que promete. Às 12h35 será a final do lançamento do martelo feminino, depois o foco muda para a pista, com a luta pelo pódio nos 800m e nos 200m femininos.

Esta terça-feira assinala ainda a despedida da ginástica artística. A partir das 9h, será o Ariake Centre a concentrar as atenções. Há três finais individuais para decidir, as barras paralelas e a barra fixa masculinas e na competição feminina a trave, que volta a ter em competição Simone Biles. A norte-americana que era a estrela anunciada destes Jogos abdicou de várias finais na semana que passou, assumindo estar a lidar com problemas de equilíbrio psicológico, mas decidiu voltar para o último dia da ginástica olímpica. Biles, que tem estado presente nas bancadas ao longo destes dias, competirá precisamente no aparelho onde não ganhou ouro no Rio 2016: foi medalha de bronze na trave.

Hoje ainda há uma estreia absoluta. A escalada desportiva, uma das quatro novas modalidades no programa olímpico a par do surf, skate e karaté, apresenta-se em Tóquio a partir das 9h com a qualificação da competição masculina, que se decide em três vertentes: velocidade, Boulder e dificuldade, ou Lead.

E não fica por aqui. Além de finais no ciclismo de pista, na perseguição por equipas feminina (9h26) e velocidade por equipas masculina (9h44), há decisões relevantes nos torneios masculinos de vários desportos colectivos. Elas já começaram no basquetebol masculino, onde a Eslovénia de Luka Doncic se apurou para as meias-finais com uma vitória sobre a Alemanha por 94-70 e os Estados Unidos venceram a Espanha por 95-81. Os quartos-de-final seguem com o Itália-França (9h20) e o Austrália-Argentina (13h00). Também no andebol se jogam os “quartos”, que tiveram início com uma vitória esmagadora da França sobre o Bahrein (42-28) e com a vitória da Espanha sobre a Suécia (34-33) e seguem com o Dinamarca-Noruega e o Alemanha-Egipto. No futebol, México-Brasil (9h) e Japão-Espanha (12h) são os jogos que decidirão os finalistas.