Sonae valorizou-se 5% após venda de posição na dona do Continente

Empresa de retalho anunciou venda de uma participação de 25% na sociedade que integra o Continente a um fundo luxemburguês.

Foto
Daniel Rocha

A notícia da venda de 24,99% da Sonae MC, empresa de distribuição que detém as cadeias Continente, Modelo, Wells e Zu, a um fundo luxemburguês foi bem recebida pelo mercado. Na abertura da sessão de bolsa desta segunda-feira, as acções da Sonae SGPS (dona do PÚBLICO) apresentaram uma valorização de 4,62%, registando máximos atingidos apenas em Janeiro do ano passado.

Na abertura da sessão, o título valia 0,85 cêntimos, acima dos 0,83 cêntimos com que encerrou a sessão de sexta-feira, véspera do anúncio do negócio. As transacções rapidamente levaram o título a subir para os 0,87 cêntimos, mas a meio da manhã já tinha perdido gás e apresentava uma perda de 1,16% para os 0,82 cêntimos.

A Sonae SGPS anunciou este sábado que concluiu um acordo para vender por 528 milhões de euros uma participação de 24,99% do capital da Sonae MC à CVC Strategic Opportunities, fundo gerido pela CVC Advisers Company (Luxembourg). De acordo com a informação dada ao mercado pela empresa, a unidade de retalho alimentar da Sonae foi avaliada em cerca de 2,4 mil milhões de euros.

No comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a Sonae SGPS referia que além dos 528 milhões de euros, o acordo prevê o pagamento do contingente diferido de até cerca de 63 milhões de euros à Sonae. E indicava que a venda de um quarto da empresa deveria ser concluída durante o mês de Agosto, não está sujeita a quaisquer condições prévias” e que “não se estima que a transacção gere qualquer mais ou menos valia para a Sonae SGPS”.

A Sonae MC representa os activos mais valiosos da Sonae SGPS. No primeiro semestre, a Sonae SGPS consolidou um volume de negócios de 3,22 mil milhões de euros (mais 5,5% do que no primeiro semestre de 2020), sendo que a Sonae MC foi responsável por mais de 75% desse valor. O volume de negócios realizado pela dona da marca Continente foi de 2,5 mil milhões de euros, um crescimento de 5,4%.