Mesmo com as campanhas de vacinação, a máscara é vista como essencial para travar variantes

Investigação sugere que, se houver um relaxamento das medidas não farmacológicas, mesmo com muitas pessoas já vacinadas há uma forte probabilidade de surgirem variantes do vírus resistentes às vacinas.

Foto
Daniel Rocha

A redução da transmissão do SARS-CoV-2 através de medidas não farmacológicas, como as máscaras faciais, pode continuar a ser necessária mesmo durante as campanhas de vacinação para que haja uma diminuição da probabilidade do surgimento de variantes resistentes às vacinas. Esta foi uma das principais conclusões de um estudo feito a partir de um modelo probabilístico publicado esta sexta-feira na revista Scientific Reports.