Covid-19: quase metade dos concelhos está em nível de alerta, apenas 13% estão em risco. Saiba como está o seu

Há 40 concelhos acima do novo nível de risco de 480 casos por 100 mil habitantes a 14 dias, menos três do que na semana anterior. A lista de incidência é agora liderada por Sines, com 1364. Porto e Lisboa registaram descidas da incidência.

Foto
Tal como na semana passada, o Porto tem nesta altura uma incidência superior a Lisboa PAULO PIMENTA

O primeiro-ministro António Costa anunciou, no final da reunião do Conselho de Ministros e entre outras mudanças nas medidas de combate à pandemia, o fim das restrições por concelhos, uma alteração que entra em vigor no domingo. Apesar desta alteração, o boletim desta sexta-feira volta a reportar a incidência cumulativa por 100 mil habitantes a 14 dias dos municípios do país, mas com uma adaptação das linhas vermelhas que sinalizam a gravidade da incidência ao nível local. A nova monitorização deve-se à evolução da vacinação no país, sendo que os concelhos em nível de “alerta” passam a ser aqueles cuja incidência ultrapassa os 240 casos, e os em nível de “risco” os 480 casos.

Com bases nos novos limites da incidência cumulativa a 14 dias, de 15 a 28 de Julho, existem, então, 40 concelhos acima do nível de risco de 480 casos por 100 mil habitantes, sendo que quatro estão acima do limiar máximo de mais de 960 casos por 100 mil habitantes (Albufeira com 1100, Loulé com 993, Portimão com 1183, e Sines com 1364).

Na semana anterior havia 43 concelhos acima dos 480 casos por 100 mil habitantes — o patamar agora considerado nível de risco —, sendo que 36 tinham uma incidência entre os 480 e 959,9 casos, e sete ultrapassavam os 960 casos​.

Segundo o relatório, existem 102 concelhos em Portugal com uma incidência entre 240 e 479,9 casos por 100 habitantes, o que significa que, no total, existem 142 concelhos em nível de alerta — ou seja, com mais de 240 casos por 100 mil habitantes. Na semana passada havia 119 concelhos no agora denominado nível de alerta.

Feitas as contas, 13% dos concelhos do país estão acima de 480 casos por 100 mil habitantes, o nível de risco, e 46% encontram-se acima de 240, o nível de alerta.

Portugal tem, ainda, 232 concelhos com uma incidência superior a 120 casos por 100 mil habitantes, mais 20 do que na última sexta-feira, o que corresponde a 75% dos concelhos. 

No extremo oposto, há oito municípios com incidência entre zero e 20 nos últimos 14 dias (seis deles com valor nulo, menos três que na semana anterior), 24 com um valor 20 e 59,9 e ainda 44 entre 60 e 119,9 casos por 100 mil habitantes.

Esta semana, Albufeira caiu para terceiro lugar na lista de territórios com maior incidência, tendo protagonizado a maior descida de incidência da semana: o concelho algarvio passou de 1553 casos por 100 mil habitantes para 1100, menos 453.

A lista da incidência tem agora no topo Sines, com 1364 casos por 100 mil habitantes (mais 29), seguido de Portimão, com 1183 (mais 46). Acima do patamar de 960 casos está ainda o concelho algarvio de Loulé, com 993.

Os seis municípios sem registo de casos nos últimos 14 dias dividem-se pelo continente e ilhas: São Vicente (Madeira), Corvo (Açores) e Santa Cruz das Flores (Açores) em territórios insulares e Nisa (Portalegre), Barrancos (Beja) e Vila Velha de Ródão (Castelo Branco) em Portugal continental.

À semelhança do que se verificava semana passada, o Porto tem nesta altura uma incidência superior a Lisboa. Ambos registaram descidas na incidência. O concelho nortenho regista agora 823 casos por 100 mil habitantes, menos 48 que na semana passada, enquanto Lisboa contabiliza 750 (que também teve uma descida, menos oito que na actualização anterior).


Actualização: o nível de risco diz agora respeito aos concelhos com mais de 480 casos por 100 mil habitantes, e aqueles que apresentam uma incidência superior a 240 estão em nível de alerta. Os novos limites são justificados pelo Governo com o aumento da vacinação em Portugal.