Auriol Dongmo e Patrícia Mamona qualificam-se à primeira tentativa em Tóquio

Tanto a lançadora como a saltadora fizeram marcas de apuramento directo com relativa facilidade. Evelise Veiga falhou o acesso à final.

Foto
Auriol Dongmo EPA/Leszek Szymanski

Em mais um dia quente e húmido em Tóquio, o programa do atletismo teve a sua meia jornada de arranque e duas portuguesas não quiseram passar mais tempo do que o mínimo indispensável para garantirem as qualificações para as respectivas finais olímpicas.

No apuramento do peso, Dongmo fez um primeiro lançamento a 18,80m, que era, precisamente, a marca de qualificação pedida. A chinesa Lijao Gong liderou a sessão de qualificação com um arremesso, também à primeira tentativa, que chegou a 19,46m.

Também Patrícia Mamona saltou para a final do triplo feminino logo à primeira tentativa. A saltadora do Sporting, a tentar uma segunda final olímpica (foi sexta em 2016), fez 14,54m logo no primeiro ensaio, ultrapassando largamente a marca pedida (14,40m). Já a outra portuguesa na qualificação, Evelise Veiga, ficou-se pelos 13,93m e falhou o acesso à final de domingo.

Mamona teve três atletas à sua frente na qualificação, a superfavorita venezuelana Yulimar Rojas (14,77m), a espanhola Ana Peleteiro (14,62m) e Thea Lafond, da Dominica (14,60m). E quando chegou junto dos jornalistas portugueses perguntou se alguém tinha visto o salto. Queria saber como fora a chamada, porque estava a sentir que ia fazer nulo e recuou no último salto. Um sinal de experiência, segundo a própria saltadora, que está nos Jogos pela terceira vez.

“Foi fruto já de alguma experiência. Se há algo que me deixa às vezes um pouco nervosa são as qualificações, porque temos tendência para estarmos nas primeiras. Quando a marca é 14,40m, tu sabes que tens aquilo nos pés, é só uma questão de saltar muito. Tive a felicidade de ajustar mesmo no fim, porque ia dar nulo”, revelou a atleta portuguesa.

A cumprir a sua segunda participação olímpica, depois de ter competido pelos Camarões em 2016, Auriol Dongmo também despachou a qualificação do peso em poucos minutos, para fugir ao calor e poder descansar.

“É importante fazer a marca logo ao primeiro ensaio para descansar mais. Fico mais tranquila. Tenho de dar tudo, ou não vou à final. Com o calor é muito difícil, não gosto, não estou habituada, mas tenho de me adaptar. Fiz 18,80m, por hoje chega”, disse a lançadora portuguesa, que, em 2016, foi 12.ª na final do peso, competindo pelo país onde nasceu.