Quatro actrizes em busca de um filme

Uma “história interminável” — ou antes, seis — num objecto indescritível e inclassificável onde um realizador brinca com as convenções para maior glória das suas actrizes.

jacques-rivette,jorge-luis-borges,festival-locarno,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
jacques-rivette,jorge-luis-borges,festival-locarno,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
jacques-rivette,jorge-luis-borges,festival-locarno,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
jacques-rivette,jorge-luis-borges,festival-locarno,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria

No prólogo de A Flor, o realizador Mariano Llinás aparece a “explicar” o que pode ser explicável do seu filme, e acaba dizendo que, na verdade, o seu filme é capaz muito mais de ser sobre as actrizes que escolheu para o interpretar. Quatro actrizes que vão rodando papéis nos seis episódios que o compõem: Elisa Carricajo, Laura Paredes, Pilar Gamboa e Valeria Correa.