TEIP: Escolas inovam pouco, mesmo tendo autonomia

Aulas com dois professores e contratação de mediadores são estratégias seguidas pela maioria dos estabelecimentos de ensino incluídos no programa.

Foto
Daniel Rocha

Apesar de terem autonomia para desenvolver abordagens adaptadas ao contexto da população que servem, a generalidade das escolas integradas no programa Territórios Educativos de Intervenção Prioritária (TEIP) não inovam nas estratégias utilizadas. A maioria delas usa os recursos adicionais que o Ministério da Educação disponibiliza para colocar dois professores em sala de aulas ou contratar mediadores. As conclusões são de um investigador da Universidade do Porto.