Porto ultrapassa Lisboa, quase 70% dos concelhos acima do nível de risco. Saiba como está o seu

Número de concelhos acima do limiar de risco aumentou 22% no espaço de uma semana: há agora 213 municípios com mais de 120 casos por 100 mil habitantes. Albufeira é o município português com maior incidência. Cerca de 30% do país está fora da zona de risco.

Foto
Paulo Pimenta

O número de concelhos acima do limite de incidência de 120 casos por 100 mil habitantes voltou a aumentar desde a semana passada. Entre a passada e esta sexta-feira, altura em que a Direcção-Geral da Saúde fez a última actualização deste indicador, o número de municípios acima do limite estabelecido pelo Governo passou de 175 para 213, um aumento de 22%. Quer isto dizer que quase 70% dos 308 concelhos do país (69,1%) se encontram agora acima do nível de risco.

Segundo o boletim, há 94 concelhos com uma incidência entre 120 e 239,9 casos por 100 mil habitantes (acima do primeiro limite de risco imposto pelo Governo) — mais quatro do que na última avaliação. Há 76 que registam entre 240 e 479,9 casos (mais 28) e 36 que têm entre 480 e 959,9 casos (mais três). Existem ainda sete concelhos no nível mais elevado da escala de risco, mais quatro do que na semana passada. Estes sete concelhos registam uma incidência superior a 960 casos por 100 mil habitantes.

Pela segunda semana consecutiva, Albufeira é o concelho com mais casos por 100 mil habitantes: são 1553, uma nova subida em relação aos 1291 da semana anterior. No mesmo nível de risco deste concelho estão mais quatro municípios que também pertencem ao Algarve: Lagos (com 1034 casos), Loulé (1120), Portimão (1137 casos) e São Brás de Alportel (983 casos). Pedrógão Grande (966 casos) e Sines (1335) também têm mais de 960 casos por 100 mil habitantes.

No lado oposto, há nove municípios que registam uma incidência nula: não tiveram nenhum caso de covid-19 nos últimos 14 dias. São eles Barrancos, Corvo, Figueiró dos Vinhos, Lajes do Pico, Melgaço, Nordeste, Santa Cruz das Flores, Sardoal e Vila Velha de Ródão. E há ainda três que registam uma incidência quase nula, abaixo dos 20 casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias: Nisa (17 casos), Torre de Moncorvo (13 casos) e Vila do Porto (18 casos). No total, há 12 concelhos no nível mais baixo de risco, menos quatro que na semana passada.

Segundo o boletim, há agora 95 concelhos na zona “verde”, ou seja, com menos de 120 casos por cem mil habitantes — o que corresponde a 30,8% dos 308 concelhos do país. Na semana passada, havia 133 municípios fora de risco.

Porto ultrapassa Lisboa

O concelho do Porto regista agora uma incidência superior ao de Lisboa, tendência que já vinha a formar-se desde a semana passada, mas que ainda não se havia concretizado. O Porto tem agora 871 casos por 100 mil habitantes, um aumento em relação aos 758 casos registados na semana passada. Lisboa contabiliza 840 casos por 100 mil habitantes, uma subida ligeira em relação aos 831 casos da avaliação anterior e um valor que confirma a tendência de estabilização das novas infecções na região da capital.

Todos os 18 municípios da Área Metropolitana de Lisboa continuam acima do limite de incidência de 120 casos por 100 mil habitantes. Os concelhos com mais casos são Lisboa (840), Moita (720), Barreiro (713), Vila Franca de Xira (609) e Loures (559).

Numa tendência semelhante, também a Área Metropolitana do Porto tem os seus 17 concelhos acima do limiar de risco. Os municípios com mais casos são o Porto (871 casos), Matosinhos (714 casos), Gondomar (602 casos), Vila Nova de Gaia (597 casos) e Santo Tirso (549 casos).

Os dados agora apresentados correspondem ao período entre 14 e 21 de Julho. De acordo com a informação divulgada esta quinta-feira depois do Conselho de Ministros, cerca de 80% da população de Portugal continental, o que corresponde a aproximadamente 7,7 milhões de portugueses, passa a estar proibida de circular na rua entre as 23h e as 5h (entre outras medidas), depois de o número de concelhos em que se aplica o recolher obrigatório ter aumentado para 116.