A CPLP e o sopro de vida de Cabo Verde

Uma última palavra de profundo lamento: a presença de um país como a Guiné Equatorial, que nada tem de democrático e que insiste em manter a pena de morte, é uma aberração que ameaça os fundamentos da CPLP

A CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) tem sido, ao longo dos seus 25 anos de existência, uma realidade distante dos seus cidadãos. Várias razões contribuem para tal: alguns resquícios, numa primeira fase, de desconfiança face ao ex-colonizador, a integração de cada Estado soberano em outras organizações internacionais regionais e que directamente mais respondem aos problemas concretos que os afligem e a falta de vontade política suficiente para que a CPLP não seja apenas um fórum diplomático “catita”.

Sugerir correcção
Comentar