Sinais de nova vaga da pandemia abalam bolsas mundiais

Aumento do número de casos de covid em vários países está a diminuir a confiança que os investidores vinham revelando numa retoma rápida da economia.

Foto
Reuters/BRENDAN MCDERMID

Os mercados financeiros mundiais regressaram esta segunda-feira a um ambiente de maior pessimismo, com os sinais de um aumento dos casos de covid-19 em vários pontos do globo a fazerem o investidores recuarem nas apostas que têm vindo a fazer numa retoma forte da economia mundial.

A meio da tarde desta segunda-feira, de acordo com os dados fornecidos pela agência Reuters, as principais bolsas europeias, incluindo a de Lisboa, registavam perdas situadas entre 2% e 3%, enquanto nas primeiras horas de transacção na bolsa de Nova Iorque a descida do índice Dow Jones situou-se logo acima de 2%. 

Particularmente afectados estão a ser os sectores relacionados com viagens e turismo, que durante as últimas semanas até tinham apresentado uma tendência de subida. Na bolsa de Nova Iorque, o índice que reúne as acções das companhias aéreas perdia, durante a sessão desta segunda-feira, 4% do seu valor, ao passo que as principais empresas de cruzeiros registavam quebras acima de 6%. Vários outros sectores de actividade, incluindo o financeiro, apresentavam quebras importantes. Em Lisboa, o PSI-20 recuou 2,7%, naquela que foi a pior sessão desde Junho do ano passado.

A explicação para estes resultados negativos nas bolsas parece estar ligada à deterioração das expectativas relativamente à evolução da pandemia. O aumento das novas infecções nos EUA, Reino Unido e em alguns países asiáticos, com o crescimento significativo da variante Delta, está a fazer com que os investidores revejam as previsões que antes tinham para o ritmo de retoma.

“Antes da variante Delta começar a ganhar tracção, o valor das acções correspondia a um cenário de forte recuperação da economia. Aquilo que estamos a ver hoje é que qualquer sinal ou notícia que perturbe esse cenário mais sereno de rendimentos mais altos para as empresas provoca uma reacção negativa dos mercados”, afirmou à agência Reuters um analista de uma firma de investimento sedeada em Nova Iorque.

As economias um pouco por todo o mundo têm vindo a evoluir, desde o início do ano passado, em sintonia com os resultados obtidos no combate à pandemia. Quando os casos diminuem e as medidas de confinamento aliviam, a actividade económica recupera e aproxima-se dos níveis anteriores à crise. Mas sempre que o inverso ocorre, a economia fraqueja, provocando igualmente instabilidade e mais pessimismo nos mercados. 

Em Portugal, as últimas semanas têm sido já de subida do número de casos de covid-19, existindo alguns sinais de um impacto negativo na actividade económica. Na passada quinta-feira, o indicador diário de actividade económica calculado pelo Banco de Portugal revelou uma diminuição, interrompendo o período de estabilidade a níveis relativamente altos que vinha registando nos últimos dois meses.