Agências de viagens lamentam “vergonha que se está a passar” nos aeroportos

Em causa está a greve convocada pelo Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos, em protesto pela situação laboral na Groundforce, que já provocou o cancelamento de 274 voos este sábado

Foto
Pedro Costa Ferreira, presidente das Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) Nuno Ferreira Santos

O presidente das Associação Portuguesa das Agências de Viagens e Turismo (APAVT) lamentou hoje a “vergonha que se está a passar” nos aeroportos portugueses, devido à greve da Groundforce, numa altura em que as empresas tentam reerguer-se da crise.

“Onde é que ficou o direito de Portugal a reerguer-se enquanto economia? Alguém faz uma pequena ideia do que é que a nossa concorrência enquanto destino turístico está já a fazer nas redes sociais, à conta da vergonha que se está a passar nos nossos aeroportos?”, questionou Pedro Costa Ferreira, em declarações à agência Lusa.

Em causa está a greve convocada pelo Sindicato dos Técnicos de Handling de Aeroportos (STHA), como protesto pela “situação de instabilidade insustentável, no que concerne ao pagamento pontual dos salários e outras componentes pecuniárias” que os trabalhadores da Groundforce enfrentam desde Fevereiro de 2021, que já levou ao cancelamento de 274 voos este sábado, sobretudo no aeroporto de Lisboa.

O responsável da APAVT reconheceu as razões dos trabalhadores da Groundforce, uma vez que se trata de reivindicar o pagamento de salários, “o mais básico do direito do trabalhador”, mas considerou que se chegou “ao grau zero do respeito”, “da razoabilidade”, “do bom senso” e “do equilíbrio”.

“A verdade é que se construiu a partir desse direito, desse facto e dessa razão uma tempestade perfeita: uma tutela governamental que não soube antecipar e resolver esse problema, em primeiro lugar, um empresário com uma atitude, no mínimo, completamente irresponsável, em segundo lugar, e um sindicato que, na boa tradição portuguesa, rapidamente se arvorou apenas portador da bandeira do caos”, apontou Pedro Costa Ferreira.

O presidente da APAVT lembrou que, depois de um ano e meio de pandemia e dos seus efeitos no sector do turismo, um dos mais afectados, as empresas estão neste momento a tentar “reerguer-se” e a “aproveitar as únicas oportunidades de um Verão que não será melhor do que o do ano passado”. “Onde é que ficam estas empresas e, concomitantemente, estes trabalhadores depois desta desgraça?”, questionou.

Relativamente aos voos marcados através de uma agência de viagens associada da APAVT, o responsável disse que os contactos no sentido de reagendar ou reembolsar os clientes já estão a ser feitos. “O problema é nós começarmos a dialogar com as companhias aéreas para elas nos reembolsarem do dinheiro que nós já pagámos e que agora não foram voados”, disse Pedro Costa Ferreira, lamentando “o modo como as companhias aéreas, calmamente e sem qualquer problema, não respeitam o direito ao reembolso das agências de viagens e dos clientes”.

A paralisação vai prolongar-se pelos dias 18 e 31 de Julho, 1 e 2 de Agosto, o que levou a ANA a alertar para constrangimentos nos aeroportos nacionais, cancelamentos e atrasos nos voos assistidos pela Groundforce, nos aeroportos de Lisboa, Porto, Faro, Funchal e Porto Santo.

Além desta greve, desde o dia 15 de Julho que os trabalhadores da Groundforce estão também a cumprir uma greve às horas extraordinárias, que se prolonga até às 24:00 do dia 31 de Outubro de 2021.