O regresso do Curtas Vila do Conde à normalidade possível

A partir desta sexta-feira, o festival regressa ao seu formato tradicional, depois de uma 28.ª edição marcada pela pandemia. Uma programação surpreendentemente forte para dez dias de cinema em sala, mas não só.

Foto
Mandibules, de Quentin Dupieux, é o “pontapé de saída” para dez dias de cinema no grande ecrã DR

Esta noite, pelas 20h30, a sala nobre do Teatro Municipal recebe a abertura oficial do 29.º Curtas Vila do Conde: Mandibules, do francês Quentin Dupieux (Pneu, 100% Camurça), é o “pontapé de saída” para dez dias de cinema no grande ecrã. Logo a seguir, às 22h, mostra-se Mulholland Drive, de David Lynch, em abertura da secção paralela Cinema Revisitado. É o regresso a uma certa normalidade do Curtas, à aposta primordial na sala como lugar de cinema e à sua posição habitual no calendário de festivais à entrada do Verão. Mas, como diz ao PÚBLICO Mário Micaelo, director de sempre e “porta-voz” da edição 2021, é uma normalidade relativa, “a possível” nestes tempos pandémicos, devidamente adaptada às circunstâncias. Que se manifestam mais visivelmente na manutenção de duas apostas de 2020: o desdobramento “virtual” do festival, através da plataforma http://online.curtas.pt, e a exibição em sala da competição nacional no Porto (Cinema Trindade) e em Lisboa (Cinema Ideal), sempre com a presença dos realizadores.