Pedro Serrazina vai ser o novo director artístico do Cinanima

Realizador e professor de cinema de animação seá já o responsável pela próxima edição do Festival de Cinema de Animação de Espinho, que decorre de 8 a 14 de Novembro.

Foto
Pedro Serrazina DR

Pedro Serrazina, realizador do celebrado Estória do Gato e da Lua (1995) e uma figura da geração que procedeu à renovação da animação portuguesa na viragem do século, vai ser o novo director artístico do Cinanima.

No Festival de Cinema de Animação de Espinho, o realizador e também professor de animação na Universidade Lusófona vai ter como principal desafio inovar e actualizar o programa de acção daquele que é o mais antigo festival de cinema em Portugal ainda no activo – a 45.ª edição vai decorrer entre 8 e 14 de Novembro –, e o terceiro certame de animação mais antigo no mundo.

Com uma carreira dividida entre a realização e o ensino – Uma Canção Distante (2001) e Os Olhos do Farol (2010) são os outros títulos mais conhecidos da sua filmografia –, Pedro Serrazina, nascido em Lisboa em 1968, tem nos últimos tempos assumido também a direcção de projectos em diferentes áreas, da animação comunitária à música.

Mestre em animação pelo Royal College of Art, de Londres, e doutorado pela Universidade Lusófona de Lisboa, Pedro Serrazina tem ensinado e participado em projectos académicos no Reino Unido, Brasil, Estados Unidos, Canadá e Tunísia. Membro da Society for Animation Studies, foi director do conselho científico e curador da sua conferência anual, em 2019. Integra ainda o comité científico do simpósio anual Ecstatic Truth, dedicado às relações entre o cinema de animação e o documentário.

Em Portugal, tem colaborado com o programa educativo do festival Porto/Post/Doc. E, na área da música, fez a animação para videoclipes de António Zambujo (Lote B, primeiro single do álbum António Zambujo Voz e Violão) e de Samuel Úria (É preciso que eu diminua).

Está actualmente a preparar um novo filme, O Que Sobra de Nós.

Como novo director do Cinanima, Pedro Serrazina vai substituir António Santos, que dirigiu transitoriamente a edição do ano passado, em substituição de António Cavacas e do director histórico do festival, António Gaio, falecido em 2015.