Interrompida modalidade “casa aberta” depois de suspensão de lote da Janssen

Decisão resulta da suspensão de um lote de vacinas da Janssen e consequente “redução na disponibilidade de vacinas”. Task force informa que a “casa aberta” será retomada logo que possível.

covid19,coronavirus,vacina,saude,sociedade,vacinas,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
covid19,coronavirus,vacina,saude,sociedade,vacinas,
Fotogaleria
Rui Gaudencio

A modalidade “casa aberta” na vacinação contra a covid-19 está temporariamente suspensa, devido à “suspensão de um lote de vacinas da marca Janssen”, informa a task force da vacinação esta quinta-feira. Esta será retomada logo que possível.

“Tendo em conta a suspensão de um lote de vacinas da marca Janssen, conforme divulgado por nota à imprensa do Infarmed de 14 de Julho, e a consequente redução na disponibilidade de vacinas, foi decidido suspender, de imediato, modalidade ‘casa aberta'”, avança a task force de vacinação, em comunicado.

Na quarta-feira, o Infarmed disse estar a investigar a qualidade de vacinas da Janssen disponibilizadas no Centro de Vacinação Covid-19 de Mafra, onde foram notificados casos de desmaio depois da toma da vacina.

As alegadas reacções adversas terão ocorrido nesta quarta-feira, por volta da hora de almoço, em 20 jovens com cerca de 20 anos, que desmaiaram após a toma da vacina, segundo confirmou fonte do Infarmed à RTP. A mesma fonte disse ainda ter-se tratado de uma síncope breve e que os jovens recuperaram a consciência no próprio local. Ao PÚBLICO, o Infarmed não confirmou o número exacto de casos registados nem a faixa etária em causa.

Devido a estes episódios de síncope (perda de consciência súbita e leve, seguida de restabelecimento espontâneo) depois da administração da vacina, a autoridade do medicamento decidiu também suspender o lote “até as averiguações estarem concluídas”, acrescentava a nota de imprensa.

Um responsável da Agência Europeia de Medicamentos (EMA) revelou, nesta quinta-feira, não ter ainda um conhecimento detalhado sobre os episódios ocorridos em Portugal, mas destacou que os desmaios e síncopes “não são invulgares” enquanto efeitos secundários da vacinação, sobretudo entre os jovens.

A modalidade “casa aberta”, que permite a vacinação de primeiras doses para pessoas sem agendamento que não tenham sido infectadas nos últimos seis meses, encontra-se desde quarta-feira disponível para quem tiver 40 ou mais anos.

O relatório de vacinação mais recente indica que mais de metade dos portugueses (60%) já recebeu pelo menos a primeira dose de uma das vacinas contra a covid-19 e 42% tem já a vacinação completa. Só na última semana foram administradas mais de um milhão de doses, um valor recorde desde o início da campanha de vacinação contra a covid-19 e para o qual a modalidade “casa aberta” também contribuiu.