Pérez diz que críticas a Ronaldo e Mourinho estão “fora de contexto”

Presidente do Real Madrid assume admiração pelos portugueses e garante relação magnífica com Jorge Mendes e transparente com Pinto da Costa.

Foto
Florentino Pérez diz que declarações que visam Ronaldo e Mourinho estão descontextualizadas EPA/KIKO HUESCA

O presidente do Real Madrid afirmou esta quarta-feira que as gravações em que critica Cristiano RonaldoJosé Mourinho, entre outros, foram obtidas de “forma ilícita e estão descontextualizadas”.

"Estas gravações, obtidas de forma ilícita, estão descontextualizadas, para provocar uma interpretação que não corresponde à realidade”, reagiu Florentino Pérez, através de comunicado, após o jornal El Confidencial ter publicado novo bloco de áudios do líder dos “merengues”.

Nas gravações, Pérez apelida Cristiano Ronaldo de “imbecil”, José Mourinho de “anormal” e Fábio Coentrão de “pateta”, além de acusar o presidente do FC Porto, Pinto da Costa, e o empresário Jorge Mendes de esquemas “estranhos” na movimentação do dinheiro da transferência de Pepe dos “dragões” para os “blancos”, em 2007.

“Tenho uma relação magnífica com Jorge Mendes há 15 anos. Uma relação sustentada na amizade e no respeito. Foi sempre muito profissional, íntegro e transparente. Sem isso, teria sido impossível de construir a relação que mantenho com ele e com os profissionais por ele representados, como Cristiano Ronaldo e José Mourinho, que admiro e por quem tenho um carinho muito especial”, refere o comunicado de Florentino Pérez.

Na mesma nota, o presidente do Real Madrid diz igualmente manter “uma grande amizade” com Pinto da Costa, com quem teve “a oportunidade de realizar vários acordos, sempre com a máxima transparência”.

Na segunda-feira, o jornal El Confidencial divulgou os primeiros áudios de Florentino Pérez, relativos a 2006, nos quais o líder do Real Madrid dizia que os ex-jogadores Iker Casillas e Raúl, figuras incontornáveis da história dos “merengues”, eram as “duas maiores fraudes” do emblema espanhol.

Pérez considerou que as essas declarações foram divulgadas devido à participação do Real Madrid na criação da Superliga Europeia, que acabou por não se concretizar, face à controvérsia gerada e aos protestos por parte dos adeptos dos 12 clubes envolvidos no projecto.