Nós, Portugueses, esse rebanho de mansos

São tantas e tão graves as incongruências das determinações do Governo que se impõe usarmos o direito de resistência do art. 21.º da Constituição.

Dizia Daniel Oliveira que o mal desta fase governativa é o achar que “tem de se fazer alguma coisa”. Não podia estar mais de acordo. É do conhecimento notório que qualquer doença faz o seu percurso e que há um momento em que os números de infectados podem aumentar sem que isso signifique que o Governo tenha de transformar as quintas-feiras numa sessão de desassossego cidadão. Com tantos juristas sentados à mesma mesa, seria de esperar que não torturassem com requintes de malvadez a Lei Fundamental, como vêm fazendo, tornando este, para os colegas de Constitucional, um ano fértil em casos reais, que não têm de começar com o António e a Berta. Na verdade, o António até é coincidente…