A mente de Roger Ballen é uma prisão

É entre as grossas paredes de granito da antiga Cadeia da Relação do Porto, hoje Centro Português de Fotografia, que por estes dias se reúne parte da perturbadora obra que o fotógrafo norte-americano Roger Ballen produziu na África do Sul ao longo de 54 anos. My Mind is a Cage tem inauguração este sábado e fica no Porto até 10 de Outubro.

Foto
Roger Ballen traz ao Porto uma exposição que reúne mais de meia centena de imagens Adriano Miranda

Os passos de Roger Ballen ecoam pelos corredores e pelas câmaras de granito que formaram, no passado, a casa forçada de criminosos e marginais da cidade do Porto. A sua obra, que repousa sobre as paredes das antigas celas, hoje transformadas em salas de exposição, está em perfeita consonância com o local: é sombria, fria, crua e impiedosa com quem as olha de frente. “Ao longo da minha carreira, visitei inúmeras prisões, asilos psiquiátricos, lugares estranhos. A estética do meu trabalho está profundamente relacionada com o conceito de prisão.” My Mind is a Cage, a exposição que este sábado se inaugura no Centro Português de Fotografia e ali fica até 10 de Outubro, reúne imagens que o fotógrafo norte-americano produziu ao longo de 54 anos de carreira na África do Sul, o país onde reside desde 1982.