Pelo menos 150 mortos por armas de fogo durante celebrações do 4 de Julho nos EUA

Os dados que incluem tiroteios e vítimas de violência armada em todo o país durante um período de 72 horas, entre sexta-feira e domingo passado, ainda precisa ser actualizada e pode atingir um número ainda maior.

Foto
Número de ocorrências em Nova Iorque e Chicago este ano foram inferiores aos registados no mesmo período de 2020 Reuters/ANDREW KELLY

Pelo menos 150 pessoas morreram em acidentes com armas de fogo em mais de 400 tiroteios registados nos Estados Unidos no último fim-de-semana, quando foi celebrado o 4 de Julho, Dia da Independência norte-americana.

Segundo dados divulgados pela rede de televisão CNN a partir do Gun Violence Archive, portal que regista as agressões armadas em cada cidade do país, os acidentes registados enquadram-se no aumento da violência que algumas das principais cidades norte-americanas enfrentam nos últimos meses.

O meio de comunicação alertou, porém, que essa estatística, que inclui tiroteios e vítimas de violência armada em todo o país durante um período de 72 horas, entre sexta-feira e domingo passado, ainda precisa ser actualizada e pode atingir um número ainda maior.

Em Nova Iorque, onde a violência armada subiu para níveis nunca vistos nos últimos meses, houve 26 mortes em 21 tiroteios entre sexta-feira e domingo. Esta é, no entanto, uma redução em relação ao mesmo período do ano passado, quando 30 pessoas foram baleadas em 25 tiroteios, segundo o departamento de polícia de Nova Iorque.

Somente no dia 4 de Julho, a cidade registou 12 incidentes com tiroteios que envolveram 13 vítimas, um aumento em relação ao ano passado, quando houve oito tiroteios e oito vítimas, de acordo com a fonte. Este ano, os incidentes de violência armada em Nova Iorque dispararam para quase 40% em comparação com o mesmo período em 2020, com 767 tiroteios e 885 vítimas.

Em Chicago, outra das maiores cidades do país, 83 pessoas foram baleadas, das quais 14 morreram, neste feriado nacional. Entre os mortos está um membro da Guarda Nacional do Exército de Illinois. A CNN sublinhou, porém, que ao contrário de outras cidades que vivenciam um aumento no crime violento, a taxa de homicídios em Chicago até Junho é 2% menor que no mesmo período de 2020. No entanto, o número de vítimas globais ainda é 14% maior.

O motivo da queda foi um Junho menos violento, em que Chicago teve uma queda de 20% nos homicídios em relação ao ano passado (78 em vez dos 98 de 2020), uma queda de 13% nos tiroteios (363 em comparação com 416) e uma queda de 8% em vítimas de tiro (499 contra 540).

Também ocorreram vários tiroteios em massa no fim-de-semana do feriado, incidentes definidos como aqueles que deixam quatro ou mais pessoas mortas ou baleadas, excluindo o agressor.

Entre estes, oito pessoas ficaram feridas na manhã de domingo num tiroteio perto de um centro de lavagem automóvel em Fort Worth, no Texas, após uma discussão entre um grupo de homens, de acordo com um comunicado à imprensa da polícia daquela cidade.

Em Norfolk, Virgínia, quatro jovens foram baleados na tarde de sexta-feira, incluindo uma rapariga de 6 anos com ferimentos graves, embora actualmente esteja em condição estável, de acordo com a polícia de Norfolk.

Entre as outras vítimas estão um rapaz de 14 anos, uma rapariga de 16 e outro adolescente da mesma idade. Todos deverão ter uma recuperação completa dos seus ferimentos. A polícia de Norfolk disse que detectives detiveram um adolescente de 15 anos acusado de estar relacionado ao tiroteio, de acordo com a CNN.

Além disso, um rapaz de 17 anos foi morto e outras 11 pessoas ficaram feridas num tiroteio em uma festa de rua com a presença de várias centenas de pessoas em Toledo, no Estado de Ohio, na noite de domingo, de acordo com a polícia de Toledo.