Na escola, todos fazem a diferença

Mais do que dizer que os professores fazem a diferença, será mais justo afirmar que os professores também contam, e que deveriam contar ainda mais, a começar pela valorização social da escola e da profissão de docente.

Foto
Rui Oliveira

É abundante a bibliografia sobre a eficácia escolar em termos de resultados académicos dos alunos, seja na avaliação interna da escola, seja em provas e exames nacionais, seja ainda em testes internacionais de tendência comparativa. Nessa bibliografia encontram-se quadros téoricoconceptuais, modelados por diferentes paradigmas de pesquisa, estudos empíricos de natureza académica e outros estudos promovidos por associações, organizações e fundações nacionais e internacionais.

Poder-se-á dizer que não é pela ausência de discussão teórica e de realização de estudos que a eficácia das aprendizagens escolares constitui, quase permanentemente, um problema social, mesmo que sejam reconhecidos avanços significativos na melhoria das aprendizagens e na evolução positiva dos resultados escolares. Mas a um teste aplica-se, com repetida tendência, a curva de Gauss, e esta diz que há três níveis de diferenciação, sendo que a maioria dos alunos faz parte da distribuição normal e, nos extremos, encontram-se aqueles que têm notas mais elevadas ou notas mais baixas. No entanto, tal não significa aceitar que o insucesso seja uma categoria de análise intrínseca à escola.

A partir do momento em que a escolaridade se tornou obrigatória, veiculando um conhecimento oficial, traduzido num dado currículo, circunscrito, regra geral, a planos de estudos e a aprendizagens específicas, os resultados tornaram-se numa inacabada discussão, apenas mudando, e conforme orientações estruturantes de políticas educativas, o ângulo a partir do qual são analisados os resultados e a argumentação subsequente.

Um dos modelos mais focados na avaliação orientada para a decisão considera a existência de quatro variáveis interdependentes: contexto, inputs, processo e resultados. Se o mesmo for aplicado à eficácia da escola, avaliada através dos resultados académicos dos alunos, dir-se-á que nenhuma dessas variáveis, de forma isolada, é responsável pelo sucesso/insucesso dos alunos, embora haja fatores preditivos que tenham mais peso que outros.

Dito desse modo, o contexto por si só não faz a diferença, nem a escola, conjugada a partir das características pessoais de alunos, professores e pais, nem tão-pouco os instrumentos de escolarização, com destaque para o currículo definido politicamente e implementado na escola/sala de aula.

Porém, seria absurdo não admitir que os resultados escolares não tivessem qualquer correlação com uma multiplicidade de fatores, de entre os quais os professores, obrigatoriamente com as suas características pessoais, com a sua formação prévia, com a sua formação inicial e contínua, com o seu modo de agir pedagogicamente e com a sua capacidade de envolver os alunos no processo de aprendizagem, como tantos exemplos conhecidos, dos quais o filme O Clube dos Poetas Mortos é uma referência incontornável.

Se ninguém, de forma singular, faz a diferença, os modelos de valor acrescentado – do contexto, da escola, do professor, do aluno e da família – remetem para uma abordagem estratificada, para além de estarem associados a uma linguagem que reforça uma visão mensurável da educação.

No caso do professor, o seu desempenho científico e pedagógico depende de si próprio, é certo, das instituições que o formam, inquestionavelmente, das condições de desenvolvimento profissional que lhe são oferecidas, sem dúvida alguma, mas também de muitas outras variáveis.

Mais do que dizer que os professores fazem a diferença, será mais justo afirmar que os professores também contam, e que deveriam contar ainda mais, a começar pela valorização social da escola, que o estudo recente do Conselho Nacional da Educação reconhece ter acontecido no atual contexto pandémico, e da profissão de docente.

Reconheçamos quão diferente seria a escola, em toda a sua complexidade pessoal e social, se as classificações mais elevadas, no acesso ao ensino superior, fossem as dos candidatos aos cursos de formação de educadores e professores. De facto, no momento de escolherem um percurso profissional, os jovens nem sempre valorizam o ser professor, por razões sobejamente abordadas.


O autor escreve segundo o novo Acordo Ortográfico