Juan Luis Arsuaga: “Não há um ideal de ser humano. É uma aberração pensar que há”

O paleoantropólogo é co-director desde 1991 do projecto de investigação das jazidas de fósseis da serra de Atapuerca (perto de Burgos, Espanha), local de descoberta de muitos fósseis de antepassados humanos. Manipular os genes da espécie humana, rebate categoricamente, seria um desastre. “Não ouvimos já isto antes?”

Foto
O cientista espanhol Juan Luis Arsuaga em frente ao Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa Rui Gaudêncio

O livro mais recente que escreveu é sobre a vida na Terra, mas nesta entrevista o seu autor, o paleoantropólogo Juan Luis Arsuaga, que há 40 anos estuda a evolução humana, incluindo fósseis em Portugal, menciona amiúde os extraterrestres. Mais do que respostas, o cientista espanhol da Universidade Complutense de Madrid expõe-nos as suas reflexões e inquietações na forma de (muitas) interrogações. Vai atirando perguntas sobre a evolução da vida, sobre a evolução humana, sobre a nossa espécie. Poderemos vê-las desenvolvidas ao pormenor em Vida, a Grande História – Uma Viagem pelo Labirinto da Evolução, editado em 2019 em Espanha e que chegou a Portugal em Maio pela editora Temas e Debates. “Só se pode ser inteligente sendo humanóide, com tudo igual a nós?”, interpela-nos.