“Até pode ser a Santa Casa” a pagar os cinco milhões da caução de Joe Berardo, diz advogado

O empresário madeirense tem 20 dias para pagar caução de cinco milhões de euros decretada pelo Juiz Carlos Alexandre.

Foto
Paulo Saragoça da Matta, advogado de Joe Berardo LUSA/ANTÓNIO COTRIM

O advogado de Joe Berardo, Paulo Saragoça da Matta, garantiu, esta sexta-feira, e à saída do Tribunal Central de Instrução Criminal (TCIC), em Lisboa, que serão feitas “todas as diligências” para assegurar o pagamento da caução de cinco milhões de euros, dentro do prazo dos 20 dias, que o juiz Carlos Alexandre decretou ao empresário madeirense.

Questionado sobre como é o seu cliente iria pagar esta caução, uma vez que, alegadamente, apenas tem em seu nome uma garagem e declara uma pensão de 2584 por mês, o advogado frisou que qualquer pessoa poderia pagar por Berardo. Os jornalistas insistiram e perguntaram se podia ser um familiar a prestar essa caução. O advogado respondeu que “até pode ser a Santa Casa da Misericórdia" a fazer esse pagamento. “Até pode ser a Santa Casa da Misericórdia, ou qualquer um de vós, que queira fazer o pagamento da caução”, disse.

Saragoça da Matta quis também destacar a postura dos inspectores da Polícia Judiciária (PJ) e dos procuradores do Ministério Público (MP) durante todo este processo e considerou que as medidas de coacção foram lógicas: “A postura dos magistrados do MP foi extremamente correcta, leal, legal. As medidas de coacção propostas foram lógicas. Foi um belíssimo momento de demonstração de que se pode fazer justiça e que justiça não é só prender pessoas”.

Aliás, deixou até agradecimentos aos elementos da PSP, aos inspectores da Polícia Judiciária, funcionários do TCIC e trabalhadores do INEM, que na quinta-feira à noite tiveram de assistir Berardo, que se sentiu mal após o interrogatório.

Joe Berardo saiu esta sexta-feira em liberdade, depois de ter passado três noites no estabelecimento prisional anexo à Policia Judiciária.