Marieke Lucas Rijneveld faz perguntas inconvenientes: o que é a morte? Onde está Deus?

Numa terra imaginária, criou um mundo ingénuo, violento, trágico, belo, incómodo. Nele procura saber o que é a morte e onde está Deus. Ganhou o Booker International, aos 29 anos, com O Desassossego da Noite, uma tradução em que houve censura, mas que chega a Portugal na sua versão completa. É o momento de ler uma voz totalmente à parte.

Foto
EPA/JEROEN JUMELET

“Ninguém na vila cismava muito, a colheita podia secar sem motivo, só conhecíamos a faina da terra e não o que existe em nós.” Coisas como esta vão pela cabeça de Cas, a menina de dez anos, narradora do romance de Marieke Lucas Rijneveld, vencedor do International Booker Prize em 2020, que fez dela, aos 29 anos, o mais jovem nome a ganhar o prémio, a par da tradutora Michele Hutchison. Chama-se O Desassossego da Noite e grande parte do desconforto em que assenta vem do silêncio à volta do que incomoda ou alegra os humanos.