Comparticipação de testes vai avançar “o mais rápido possível”, diz Governo

O secretário de Estado da Saúde incentivou os cidadãos a utilizarem os testes rápidos, assim como a vacinaram-se e a pedirem o certificado digital da covid-19. A utilização de máscara, distanciamento social e lavagem ou desinfecção das mãos continuam a ser recomendadas para travar a propagação da covid-19.

Foto
Teste rápido de detecção do vírus que causa a covid-19 LUSA/MANUEL DE ALMEIDA

O Governo vai “comparticipar o mais rapidamente possível” o custo dos testes de despiste da covid-19, para serem mais utilizados pela população, disse em Alenquer o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, esta sexta-feira.

O Governo vai “comparticipar o mais rapidamente possível. Estamos a trabalhar nessa operacionalização para levar por diante essa testagem”, referiu aos jornalistas António Lacerda Sales, à margem da inauguração de uma Unidade de Saúde Familiar em Alenquer.

O secretário de Estado sublinhou que a testagem “é a única forma” de “quebrar as cadeias de transmissão”. O governante incentivou por isso os cidadãos a utilizarem os testes, assim como a se vacinarem e a pedirem o certificado digital da covid-19. A utilização de máscara, distanciamento social e lavagem ou desinfecção das mãos continuam a ser recomendadas para travar a propagação da covid-19. 

Entradas e saídas da AML permitidas com teste negativo

Para saírem ou entrarem nos concelhos da Área Metropolitana de Lisboa, esclareceu, são exigidos testes negativos à covid-19: os PCR, efectuados nas 72 horas anteriores, ou testes rápidos de antigénio, realizados 48 horas antes. Por enquanto são recusados os “autotestes”, pela eficácia ser mais reduzida e por os resultados não serem comunicados às autoridades de saúde. Em alternativa, podem ser apresentados os certificados digitais.

Na quinta-feira, o Conselho de Ministros decidiu que a proibição de circulação para dentro ou para fora da Área Metropolitana de Lisboa (AML) se mantém no próximo fim-de-semana, mas quem tenha um certificado digital ou um teste negativo à covid-19 pode passar.

De acordo com a ministra de Estado e da Presidência, poderão entrar e sair da Área Metropolitana as pessoas que tenham um certificado digital ou teste negativo à covid-19 com resultado laboratorial, adiantando que as crianças até aos 12 anos não necessitam de apresentar teste.

Em Alenquer, o secretário de Estado da Saúde disse ainda que, desde 2015, foram contratados mais 583 médicos de família e 28.000 profissionais de saúde.

Em relação à actividade assistencial, Lacerda Sales disse que este ano até Maio foram realizadas mais 3,1 milhões de consultas médicas não urgentes nos cuidados primários, mais 780 mil consultas hospitalares e mais 76 mil cirurgias por comparação com igual período de 2020, concluindo que os dados da actividade assistencial “estão muito próximos e a níveis compatíveis de 2019”.