Ainda temos uma montanha para descer

Precisamos de clareza e capacidade de mobilizar as pessoas. E explicar que ainda temos uma montanha para descer: há uma maneira mais segura e mais rápida de o fazer — ou há uma maneira mais descuidada, mais perigosa e mais lenta.

Acho que foi o Jorge Valdano, mítico número 11 da seleção da Argentina, que descreveu chegar a uma final de um Mundial de Futebol como subir ao topo de uma montanha. Quando se pensa que se vai apreciar a vista, impõe-se a realidade de que agora é preciso descer a montanha pelo outro lado. Descer a montanha é mais rápido do que subi-la, mas exige um grau idêntico de esforço e disciplina. Uma desatenção tem um custo elevado.