Cartas ao director

Um país em agonia

1.º O assassinato do cidadão ucraniano Ihor Homenyuk nas instalações do SEF envergonha todos os portugueses. A família já recebeu a indemnização e isto só aconteceu por causa das entrevistas da viúva nas televisões. Mais uma vez as televisões privadas na linha da frente a prestarem um serviço público.

2.º Enquanto todo o mundo se encontrava focado nas estatísticas da covid-19, a atleta federada Cidália Martins no dia 18/2/2021, foi mordida com gravidade por dois cães. Estes animais são propriedade de um militar da GNR. Ter um cão, é o mesmo que ter uma arma. Continuamos a tratar estes acontecimentos com uma ligeireza e uma leviandade que faz parte do nosso carácter e da nossa falta de educação.  

3.º Passaram-se quatro anos desde a tragédia de Pedrógão. É verdade que as famílias com cidadãos mortos receberam indemnizações do Estado e o parque habitacional estará quase todo reconstruído. Mas na floresta e na silvicultura preventiva nada se concretizou. A qualquer momento pode ser deflagrado um novo fogo. Pode não ter vítimas mortais, mas podemos assistir à destruição da floresta que deveria ser uma riqueza nacional.  

Angélica de Carvalho, Chaves

Papa Francisco

Como vários leitores têm referido, as crónicas de Frei Bento Domingues são o sal que condimenta ainda mais o PÚBLICO dominical, e neste domingo isso voltou a acontecer, ao recordar-nos os textos de pedido de resignação do arcebispo de Munique e Freising, o da sua recusa por parte do Papa, e a contrarresposta do cardeal Reinhard Marx, tendo como razão para estas epístolas questões relacionadas com a pedofilia, mal que tem, também, afectado e bastante a Igreja Católica.

Ora sabendo que o Papa Francisco ao longo do seu ministério tem procurado e conseguido estabelecer pontos convergentes, antes julgadas improváveis, com outras religiões, nas suas várias viagens ecuménicas, esta atitude que hoje nos foi recordada é tão-só mais uma razão lógica da sua acção, que, acresce, é tomada em relação a um dos seus pares. Também nos seus textos sapienciais o Papa Francisco tem manifestado toda a sua determinação em promover a concórdia, a harmonia, em detrimento do conflito, da intransigência, e, reiteramos, em prol do perdão.

Assim, e neste mundo tão conturbado, para além da pandemia global, há que promover tudo o que nos for possível para sabendo perdoar, mas não devendo esquecer os males que grassam em muitos países, e aos quais o Papa Francisco tem dedicado bastante do seu tempo, por forma a erradicá-los, para bem da Humanidade. Que a saúde lhe não falte.

José P. Costa, Lisboa

Leio sempre com atenção e interesse os artigos de Frei Bento Domingues, no PÚBLICO. O de anteontem refere-se à pedofilia, crime horroroso que infelizmente se vai tornando normal e que tem também atingido membros da Igreja Católica, onde alguns estão enterrados até ao pescoço. Todo o artigo se refere ao que se passa com membros do clero da Igreja Católica, na Alemanha. Embora quem pratique tal ignominia seja de condenar, o clero, dado os valores que defende e muito bem, é mais culpado. Faz pena ver o fisicamente frágil Paulo VI, enfrentar esta difícil situação. Entretanto a Justiça civil continua a tratar este tenebroso assunto, como se um violador tivesse roubado um chocolate na pastelaria.

Carlos Leal, Lisboa

Bazucas

Em 2019 foi notícia que nos quatro anos anteriores tinham saído de Portugal rumo a paraísos fiscais 50 mil milhões de euros. Isto foi o que saiu de forma legal, o que só por si constitui uma bazuca anual. Bem vistas as coisas, isto é dinheiro que sobra a uns quantos e falta a muitos e principalmente ao país. Se não arranjarmos maneira de isto não continuar, as bazucas de nada servirão.

Quintino Silva, Paredes de Coura