Professores: como evitar a fuga e captar os melhores para a profissão?

Foto
Rui Gaudencio

Um professor do ensino não superior que consiga chegar ao topo da carreira, ganha menos que um juiz estagiário. Aliás, em início de carreira, um professor aufere 1.523,18 € brutos contra os 3324,00 € de um juiz estagiário.

Talvez estes valores surpreendam muitos. Sobretudo aqueles que não perdem uma oportunidade para tentar denegrir, em colunas de opinião de “tudologia”, os professores, as suas carreiras, os seus “pseudobenefícios” e férias imensas, sem sequer conseguirem perceber que ao fazê-lo, estão, na realidade, a fazer duas coisas: propagandear uma falácia e, pior ainda, a condenar o futuro do próprio país. Não se iludam. Sem professores não há educação!

Podemos anunciar milhões em cima de milhões, seja para “pseudoplanos” de recuperação de aprendizagem, seja através do Plano de Recuperação e Resiliência, que, se não tivermos coragem para assertivamente combater os reais e mais que identificados problemas da educação, estaremos apenas a gastar a fundo perdido sem que se vislumbre melhorias. Os rankings, quer se goste ou não, são um bom exemplo do desinvestimento real, em contraciclo com a propaganda, que tem havido na educação.

Para perceber a propaganda instituída, na apresentação do Plano de Recuperação das Aprendizagens o anúncio de mais de 3300 professores é enganador face à quantidade de aposentações previstas para os próximos anos e, como se sabe, os jovens nem querem ouvir falar em serem professores. Os cursos de formação inicial estão vazios, os incentivos são zero. A reforma, ou lá o que lhe quiserem chamar, tem de passar, obrigatoriamente, pela revalorização da profissão, captando através de uma carreira atractiva e bem remunerada os melhores profissionais, os mais motivados estudantes e fazer com que os actuais não desistam assim que percebam que a carreira é um sofismo, que foram enganados por um Estado que tudo pede e pouco dá!

Em Março, o Conselho Nacional de Educação pedia que no Plano de Recuperação e Resiliência fosse contemplada uma verba para formar e atrair mais professores. O problema da falta de professores é uma realidade para a qual os sucessivos governos têm vindo a ser alertados, mas sem que tenham demonstrado uma real preocupação e sobretudo medidas para mitigar este problema. A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) revelou, aqui há dias, que os docentes vinculam em média com mais de 45 anos e ao fim de mais de década e meia de serviço como contratado. Ao longo deste percurso há muitos que vão desistindo. Entrando com 45 anos, e prevendo que não houvesse cotas de progressão na carreiras, chegariam ao topo, décimo escalão, com 79 anos. Aqui poderiam aspirar ganhar tanto como um juiz estagiário! Parece-me altamente elucidativo o porquê da falta de professores!

Pensar numa nação que se quer justa e promotora de igualdade de oportunidades é pensar-se numa escola de gestão democrática, com professores valorizados e consequentemente motivados, é pensar numa escola centrada no aluno, com regras claras que boicotem qualquer tipo de indisciplina, com turmas de dimensão ajustada à realidade, sem turmas de multinível, com recursos humanos e materiais em quantidade suficiente para que não seja preciso recorrer constantemente a projectos temporários com nomes sumptuosos, mas de eficácia residual e/ou duvidosos.

É urgente reformar a carreira de alto a baixo, reabilitando o papel social do professor, remunerando convenientemente alguém com formação académica acima da média, acabando com a avaliação kafkiana e promotora de caciques organizacionais que serve apenas de tampão da progressão, desburocratizar, desproletarizar, subsidiar professores deslocados, incentivar a fixação de professores em escolas do interior. Captar os melhores investindo e cuidando dos que cá estão.