Está a ocorrer uma migração animal do meio rural para o urbano

Temos assistido a uma inversão da biodiversidade, em que os animais saem do campo para a cidade. Fazem-no porque estamos a destruir os seus ecossistemas naturais. Exemplos não nos faltam neste quinto (e último) artigo da série A Biodiversidade e Nós.

Foto
Raposa passeia-se em frente ao Nº 10 de Downing Street (a residência oficial do primeiro-ministro britânico Londres) em Janeiro de 2018 Hannah McKay/Reuters

Antes da mecanização, os terrenos agrícolas começaram por ser preparados com artefactos de pedra, mais tarde com enxadas e, posteriormente, arados com tracção humana ou animal. Este tipo de agricultura é benéfico para a biodiversidade do meio rural, porque aduba o solo com produtos naturais (estrume) e os campos estão marginados de árvores que ficaram das áreas florestadas derrubadas (“paisagem de bocage”, com vestígios de bois, ou bosque, normalmente em socalco). Além disso, são necessários prados para pastagem do gado de tracção que não estão em socalco, conhecidos no nosso país por prados de lima ou lameiros, que, por estarem permanentemente irrigados, são ecossistemas de elevada biodiversidade herbácea.