Cristiano Ronaldo, o “momento coca-cola” e o fenómeno da modelagem

O “momento coca-cola”, protagonizado por Cristiano Ronaldo antes de uma conferência de imprensa no Euro 2020, chama a atenção para o impacto dos comportamentos das figuras mediáticas em algumas pessoas.

Foto
@petercalheiros

Sendo certo que as celebridades são seres humanos como nós — e embora não tenham a obrigação de servir de exemplo a ninguém —, é evidente que há uma elevada probabilidade de os seus comportamentos influenciarem quem os admira. Isto acontece porque estas pessoas se destacam por serem carismáticas, talentosas, por terem uma carreira de sucesso e por outros parâmetros valorizados individualmente por cada um de nós, embora nem consensuais e até mesmo saudáveis.

O público que admira os famosos cria uma ligação com eles, que reflete aquilo que gostariam de ser ou de ter, mas que a sua condição física, económica e social não permite.

O fenómeno social da modelagem, abordado por Albert Bandura, um conhecido psicólogo social, naquela que ficou conhecida pela teoria da aprendizagem por modelagem ou da aprendizagem social, assume que um comportamento por imitação pode ser reforçado se a pessoa imitada é admirada por quem está a observar. Mas há aspectos importantes a ressaltar: para haver mudança efetiva, é importante que haja repetição na mensagem. Ou seja, quem observa vai interiorizar mais facilmente o novo comportamento no seu quadro de respostas se o modelo for reforçado.

Para os defensores da aprendizagem social, o reforço assume importância, uma vez que o indivíduo, ao observar o modelo sendo reforçado, tende a seguir o seu comportamento. No caso em questão, é sabido que Cristiano Ronaldo investe na sua saúde e mantém uma atitude de persistência perante os seus objetivos, tendo como consequência muito sucesso e, deste prisma, representando um bom exemplo a seguir.

Nesta linha de pensamento, as consequências influenciam o nosso comportamento, ou seja, as ações que geram consequências positivas tendem a manter-se, enquanto as que geram consequências negativas tenderão a desaparecer.

Quer tenha sido propositado ou não, o gesto de Ronaldo que afasta o refrigerante da sua frente e escolhe uma bebida alternativa saudável — a água — além de passar a mensagem de que é possível escolher entre os alimentos que fazem bem ou mal à saúde, levantou questões sobre o papel das celebridades na influência das decisões dos seus seguidores.

E a posição privilegiada e a capacidade de influenciar as pessoas, típica dos influencers, deveria ser tomada com responsabilidade, exercendo um papel pedagógico nas suas ações, seja ao nível de hábitos de vida mais saudáveis, das relações interpessoais e de outros aspectos da vida das pessoas com destino a um maior bem-estar físico e psicológico.


A autora escreve segundo o Acordo Ortográfico de 1990