Fotógrafo Nuno Vasco Rodrigues premiado por imagens captadas nos mares dos Açores

Os dois prémios foram atribuídos pela Ocean Geographic Society nas categorias de conservação e fotojornalismo.

Foto
Nuno Vasco Rodrigues ANA PINTO

Um conjunto de fotografias de Nuno Vasco Rodrigues nos mares dos Açores valeu ao fotógrafo submarino português a atribuição de dois prémios numa das maiores competições anuais de fotografia relacionada com o oceano organizada pela Ocean Geographic Society. São eles o primeiro lugar na categoria de Fotografia de Conservação do Ano com uma imagem tirada em Agosto de 2020 a sul da ilha do Pico; e o segundo lugar da categoria Fotojornalismo com uma história sobre os tubarões-azuis do arquipélago açoriano.

Profundamente apaixonado pela vida submarina, Nuno Vasco Rodrigues faz do oceano o seu escritório e da sua câmara arma de arremesso para alertar para os problemas que assolam os nossos mares e oceano, como contava ao PÚBLICO em Outubro de 2020.

Foto
A foto premiada em primeiro lugar na categoria de conservação Nuno Vasco Rodrigues

É por isso que estes dois prémios atribuídos este mês pela Ocean Geographic Society, uma instituição que promove fóruns de discussão acerca de conservação marinha através da ciência, tecnologia e arte, têm para o fotógrafo e mergulhador um “valor muito significativo, especialmente pelas categorias em que se inserem (conservação e fotojornalismo)”, confessa agora ao PÚBLICO. “Através do fotojornalismo, procuro trazer ao grande público histórias que penso serem relevantes e que mostram um pouco do que se passa no oceano, quer seja negativo ou positivo, mas, acima de tudo, a necessidade de conservação.”

Em Agosto de 2020, a sul da Ilha do Pico, o fotógrafo acompanhava uma equipa de investigadores da Universidade dos Açores quando decidiu atirar-se para dentro de água e tirar aquela que é hoje para a Ocean Geographic Society a “fotografia de conservação do ano”. Andavam a procurar tartarugas-comum para “marcação, medição e colecta de tecidos e sangue para análise, mas também monitorizar o lixo marinho flutuante”, quando se depararam com uma das maiores ameaças que hoje as espécies marinhas enfrentam. “A determinada altura, encontrámos um agregado de cordas, cabos e redes e avançou-se para a sua retirada, para prevenir o emaranhamento de tartarugas ou outro tipo de vida marinha. Foi aí que resolvi saltar para a água e captar a imagem que me pareceu de imediato que poderia transmitir uma forte mensagem”, conta Nuno Vasco Rodrigues.

“Trata-se de um split-shot, ou seja, uma imagem que capta tanto o ambiente submerso como o emerso, ligando os dois mundos”, relata. Foi escolhida, numa fase final do concurso, como vencedora por Sylvia Earle, pioneira lendária do mundo subaquático e exploradora residente da National Geographic Society, que, segundo o fotógrafo português, classificou a fotografia como um “motivo de esperança, que atinge em cheio o coração”. O prémio por esta fotografia é um voucher de seis noites num resort de mergulho na Indonésia com tudo incluído, inclusivamente os mergulhos.

Foto
Uma das fotos do trabalho premaido na categoria de fotojornalista Nuno Vasco Rodrigues

“As pessoas precisam de esperança”

Na categoria onde conseguiu arrecadar o segundo lugar, a de fotojornalista, os concorrentes devem submeter uma história e ilustrá-la com imagens e o mergulhador e fotógrafo português resolveu contar o caso dos tubarões-azuis, uma das espécies predilectas das suas lentes.

“A história que submeti era sobre o trabalho pioneiro que está a ser desenvolvido por uma equipa encabeçada também por investigadores da Universidade dos Açores acerca dos movimentos de tubarões-azuis nas águas locais”, conta-nos. “Através de uma metodologia inédita e não invasora de marcação, conseguem saber, por telemetria, os movimentos desses animais e assim perceber um pouco mais acerca da sua ecologia funcional, podendo definir melhores estratégias para a sua conservação”, acrescenta sobre o trabalho que lhe valeu como prémio um voucher de 500 dólares (cerca de 420 euros) numa futura expedição organizada pela Ocean Geographic Society e a publicação desta história numa futura edição da revista desta instituição.

Avaliada pela União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) como uma espécie “criticamente ameaçada” no Mediterrâneo e “quase ameaçada” em todo o mundo, o tubarão-azul é a espécie de tubarão mais pescada a nível mundial devido à venda de barbatanas para o mercado asiático.

Apesar de ter a denúncia das ameaças de que a vida marinha é alvo como uma das suas bandeiras, o fotógrafo português reconhece que o pessimismo que é transmitido pode acabar por ser contraproducente em termos de conservação. “As pessoas precisam de esperança, de saber que ainda vamos a tempo de inverter o que está errado” e foi isso que tentou fazer com as suas fotografias.​ “Neste caso, ambas as distinções são dadas a histórias que mostram o lado positivo do que se anda a fazer pelo oceano, transmitindo esperança”, remata.

Texto editado por Teresa Firmino