Rui Rio a favor de norma da DGS para testes em eventos familiares e serviços

O líder do PSD aproveitou ainda para criticar o clima no interior do PS, com quezílias, divisões e desgaste.

Foto
Rui Rio acompanhado pela candidata da coligação PSD/CDS à Câmara de Elvas, Paula Calado LUSA/NUNO VEIGA

O presidente do PSD manifestou-se nesta quarta-feira favorável a que os testes à covid-19 passem a ser recomendados em eventos familiares com mais de dez pessoas, como casamentos e baptizados, serviços públicos e empresas.

De acordo com uma norma da Direcção Geral da Saúde (DGS) referente à Estratégia Nacional de Testes para a SARS-CoV-2, actualizada na terça-feira, recomenda “a realização de rastreios laboratoriais em eventos familiares, designadamente casamentos e baptizados, bem como quaisquer outras celebrações similares, com reunião de pessoas fora do agregado familiar, aos profissionais e participantes sempre que o número de participantes seja superior a dez”.

“Uma medida desse género, eu estou concordando com ela. A pandemia está outra vez a evoluir de mais, nós sabemos que o Rt [índice nacional de transmissibilidade], que é o factor de multiplicação, já está acima do nível 1, 1. Isso é muito e, portanto, isso significa que nos próximos tempos nós vamos ter um aumento de casos”, disse Rui Rio.

O presidente do PSD que falava aos jornalistas após uma visita ao centro histórico de Elvas, no distrito de Portalegre, acompanhado pela candidata da coligação PSD/CDS-PP à Câmara de Elvas, Paula Calado, acrescentou ainda que o país não pode “relaxar” no combate à pandemia.

“Estamos um pouco mais tranquilos porque já há uma franja da população com as duas doses da vacina e até com uma dose da vacina que é, por exemplo o meu caso, e isso já dá alguma segurança, mas não podemos relaxar, temos de estar com muita atenção”, alertou.

Quezílias e desgaste

O presidente do PSD considerou ainda que o Governo e o PS estão em “desgaste” com “quezílias internas” e sem “nada para dizer” ao país, na sequência da reacção dos socialistas às jornadas parlamentares dos sociais-democratas.

A líder parlamentar do PS, Ana Catarina Mendes, acusou na terça-feira o presidente do PSD de não ter uma visão estratégica para o país e advertiu que os sociais-democratas sem agenda política permitem aos extremos crescer em Portugal.

“Isso que o PS diz é tipicamente de quem não tem nada para dizer, quando não se tem nada para dizer, diz-se isso, não tem ideias, não sabe o que quer”, acusou Rui Rio.

“É notório que o Governo está em desgaste e o PS está em desgaste, com quezílias internas, divisões internas, que já nada têm a ver com questões pessoais como acontecem muitas vezes, é já o desgaste da governação”, considerou.

“Eu penso que nós vamos assistir durante mais tempo, até ao final do ciclo político, a afirmações desse género, de quem não tem assim nada para dizer”, acrescentou.

Rui Rio, que recordou ainda aos jornalistas os tempos em que cumpriu o serviço militar em Elvas, disse que é preciso “desconcentrar e descentralizar” vários serviços e em empresas pelo país, acrescentando que a Regionalização é um tema que “terá de ser trazido outra vez a debate”.