Taj Mahal reabre a visitas: Índia desesperada por turismo alivia restrições

Apenas 650 turistas poderão entrar em simultâneo no perímetro do Taj Mahal. “Se o turismo internacional não recomeçar, a indústria do turismo aqui não sobreviverá”.

reuters,viagens,fugas,saude,india,asia,
Fotogaleria
Rupak De Chowdhuri/Reuters
reuters,viagens,fugas,saude,india,asia,
Fotogaleria
Cathal McNaughton/Reuters
reuters,viagens,fugas,saude,india,asia,
Fotogaleria
Alasdair Pal/Reuters
reuters,viagens,fugas,saude,india,asia,
Fotogaleria
Saumya Khandelwal/Reuters
Taj Mahal
Fotogaleria
AlasdairPal/Reuters
,Mehtab Bagh
Fotogaleria
Andrew Kelly/Reuters

O Taj Mahal reabriu ao público ao mesmo tempo que a Índia, ainda a recuperar de uma segunda onda desastrosa provocada pela pandemia, faz pressão para suspender as restrições numa tentativa desesperada de revitalizar a economia.

O mausoléu de mármore branco do século XVII, construído pelo imperador mogol Shah Jahan na cidade de Agra, foi fechado no início de Abril quando a Índia adoptou medidas rígidas de bloqueio num esforço para conter um aumento de infecções por covid-19 que continua a matar milhares de pessoas por dia.

Apenas 650 turistas poderão entrar em simultâneo no perímetro do Taj Mahal, disse à Reuters Prabhu Singh, presidente da câmara de Agra.

Foto

O monumento atrai normalmente de 7 a 8 milhões de visitantes anualmente — ou mais de 20 mil pessoas por dia. O Estado de Uttar Pradesh é um dos Estados da Índia mais afectados em termos de casos totais de covid-19.

Outros monumentos protegidos pelo Governo Federal, incluindo o Forte Vermelho de Nova Deli e Qutub Minar, também foram reabertos aos turistas, mesmo com o alarme a soar no segundo país mais populoso do mundo.

Na quarta-feira, 16 de Junho, o Ministério da Saúde da Índia relatou 62.224 novas infecções durante a noite, um pouco acima do número do dia anterior. O país acrescentou 2.542 mortes, elevando o total de fatalidades para 379.573.

Os meios de comunicação indianos relataram engarrafamentos e um aumento no número de turistas nesta semana para a estação de montanha ao norte de Shimla, famosa pelas vistas dos picos nevados dos Himalaias, aumentando ainda mais os temores sobre a disseminação do vírus.

O número de empregos em viagens e turismo na Índia caiu quase 21% no ano passado, de acordo com o World Travel & Tourism Council. “Se o turismo internacional não recomeçar, a indústria do turismo aqui não sobreviverá”, disse Ramesh Wadhwa, presidente da Hotel and Restaurant Owners Association em Agra. Inglaterra, Canadá, Estados Unidos e França estão entre as dezenas de países que restringiram as viagens com a Índia.

Wadhwa não conta com grande aumento de reservas nos hotéis de Agra com a reabertura do Taj Mahal, isto porque o número de turistas autorizados continuará a ser limitado.