O que acontece se Lisboa recuar no desconfinamento?

Concelho tem incidência superior a 240 casos por 100 mil habitantes. Se este valor não baixar nos próximos dias, Lisboa terá, pela primeira vez, de dar um passo atrás no desconfinamento.

Foto
Terreiro do Paço em Lisboa Nuno Ferreira Santos

Se mantiver a incidência actual, Lisboa irá, pela primeira vez, recuar no plano de desconfinamento nacional que o país navega desde Março. Nas últimas semanas, o concelho tem registado um aumento de infecções, com o coordenador regional da resposta à covid-19 em Lisboa e Vale do Tejo, Duarte Cordeiro, a revelar que Lisboa regista mais de 240 casos por 100 mil habitantes. Este valor é o dobro do índice mantido como referência pelo Governo, de 120 casos por 100 mil habitantes, traduzindo um crescimento claro da pandemia de covid-19 nesta área.

Se este valor se repetir por duas avaliações consecutivas, ou seja, se no final da próxima semana Lisboa registar uma incidência superior a 240 casos por 100 mil habitantes, o concelho ficará obrigada a impor novas restrições e limitações, depois de já ter congelado, juntamente com Braga, um avanço no desconfinamento na passada semana. 

Se é habitante de Lisboa e quer saber o que poderá mudar na sua zona de residência, o PÚBLICO deixa-lhe um pequeno guia com as principais restrições que podem voltar a estar em vigor:

  • Casamentos e baptizados podem ter, no máximo, 25% da lotação
  • Restaurantes, cafés e pastelarias apenas podem estar abertos até às 22h30 em dias úteis ou até às 15h30 ao fim-de-semana e feriados
  • Eventos culturais também até às 22h30;
  • Ginásios continuam abertos, mas sem aulas de grupo;
  • Restauração com limites de lotação: quatro pessoas por mesa nos espaços interiores. Esplanadas podem ter seis pessoas por mesa;
  • Permissão de prática de modalidades desportivas de médio risco, sem público;
  • Eventos em exterior com diminuição de lotação, a definir pela DGS;
  • Lojas de Cidadão com atendimento presencial por marcação.

Mantêm-se, claro está, todas as regras sanitárias, tais como a obrigatoriedade do uso de máscaras nos estabelecimentos e na rua, bem como a recomendação de distanciamento físico.