África

“Corrida aos diamantes” leva centenas de pessoas ao litoral norte da África do Sul

Com utensílios caseiros a servir de engenhos de mineração, centenas de pessoas ocuparam um terreno no litoral norte da África do Sul à procura de diamantes. O governador local pede ordem e calma para que se possa fazer uma inspecção adequada.

Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Fotogaleria
Reuters/SIPHIWE SIBEKO

Centenas de pessoas ocuparam uma vasta área de terreno no norte da província do KwaZulu-Natal, litoral da África do Sul, numa aparente "corrida aos diamantes", anunciaram as autoridades locais.

"Estamos profundamente preocupados com as imagens que mostram pessoas vindas de províncias e cidades vizinhas para KwaHlathi, e com o facto de que, se não for controlada, a situação poderá resultar em caos", alertou o governador do KwaZulu-Natal.

Sihle Zikalala, citado pela imprensa local, considerou que as actividades de "mineração ilegal" violam os actuais protocolos de saúde pública de confinamento da covid-19.

"Pedimos ordem e calma e exortamos todos os envolvidos a cessarem as operações e a desocuparem o local, a fim de se inspeccionar adequadamente o local e o que foi descoberto lá", instou Sihle Zikalala.

Imagens transmitidas pelo canal de televisão sul-africano ENCA mostraram também centenas de pessoas oriundas de várias partes do país a extrair pequenos minérios, que acreditam ser diamantes, com recurso a utensílios caseiros, nos arredores da cidade de Ladysmith, a cerca de 240 quilómetros a noroeste da cidade portuária de Durban e a quase 400 quilómetros a sudeste de Joanesburgo.

Peritos do Ministério dos Recursos Minerais e Energia, do Conselho de Tecnologia Mineral e do Conselho de Geociências foram enviados para o local. Lusa

Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Reuters/SIPHIWE SIBEKO
Sugerir correcção