O Fundo Azul e os fantasmas da “bazuca”

O fracasso da aposta no mar, tantas vezes apontado como a próxima nova fronteira do país, é um sinal de alerta para as os riscos de desperdício das verbas europeias.

É fácil perceber as razões pelas quais o Presidente da República repete tantas vezes os alertas para a necessidade de Portugal não desperdiçar as oportunidades do Programa de Recuperação e Resiliência (PRR, a famosa “bazuca” europeia) e do próximo quadro financeiro plurianual com os fundos estruturais da União. Nas entrelinhas dessa preocupação reiterada de Marcelo Rebelo de Sousa há uma expectativa positiva e uma experiência traumática: a expectativa de aproveitar os fundos para “reconstruir” e não apenas “remendar” os problemas estruturais do país e o trauma do passado baseado na tradição de desbaratar ou subaproveitar as oportunidades, sejam elas a do ouro do Brasil ou dos fundos da União Europeia. Depois de sabermos o que acontece com o Fundo Azul, há razões de sobra para preocupações.