Unidade especial da polícia alemã desmantelada por ligações à extrema-direita

Decisão do ministro do Interior do estado do Hesse surge um dia depois de 19 agentes terem sido suspensos por participação em chats extremistas.

Foto
THILO SCHMUELGEN/Reuters

As autoridades do estado do Hesse, no centro da Alemanha, anunciaram esta quinta-feira que se viram obrigadas a dissolver uma unidade especial da Polícia (SEK, na sigla em alemão) que operava em Frankfurt, depois de se tornar público que vários agentes da unidade participavam em chats da extrema-direita.

“Hoje damos o tiro de partida para um reinício fundamental para a SEK”, assinalou o ministro do Interior do estado do Hesse, Peter Beuth. Para o ministro, as revelações “demonstram claramente a suspeita das tendências de extrema-direita de alguns membros da SEK de Frankfurt”.

Beuth descreveu na quarta-feira os chats de extrema-direita como “completamente inaceitáveis”, ao mesmo tempo que considerava que nenhum dos agentes vinculados a estes grupos deveria ser um membro activo da unidade policial, que é uma unidade táctica.

Ao todo, 19 membros do corpo no activo e um ex-membro da unidade estão a ser investigados. As autoridades alemãs alegam que 17 deles partilharam informação que incluía imagens de uma antiga organização nazi. As conversas nos chats tiveram lugar maioritariamente entre 2016 e 2017.

“Tendo em conta as alegações, está claro para mim – independentemente do resultado da investigação – que nenhum dos acusados voltará a participar numa unidade especial do Hesse”, sublinhou Beuth, que avançou com a possibilidade de que as autoridades do estado expulsem os agentes da Polícia se for legalmente possível.

Um grupo de especialista vai agora encarregar-se da reestruturação da SEK, com o ministro do Interior a exigir uma nova cultura para a liderança da polícia nos níveis médios e mais baixos.

“Claro que as nossas forças especiais serão vitais no nosso futuro, mas os nossos parâmetros serão diferentes”, acrescentou Beuth.

Os 20 implicados no processo têm entre 29 e 54 anos. Um deles já foi suspenso, referiu na quarta-feira o chefe da polícia de Frankfurt, Gerhard Bereswill.