Aprendiz de feiticeiro

Uma espécie de satélite (meio enferrujado) da obra recente de Clint Eastwood, de quem Robert Lorenz é assistente.

cultura,ipsilon,clint-eastwood,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Liam Neeson como sulista rezingão, recém-enviuvado e abnegado defensor da fronteira entre o Arizona e o México
cultura,ipsilon,clint-eastwood,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
cultura,ipsilon,clint-eastwood,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
cultura,ipsilon,clint-eastwood,critica,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Jim Hanson
Fotogaleria

Praticamente todo o trabalho de Robert Lorenz tem andado à volta de Clint Eastwood, de quem é — desde As Pontes de Madison County, onde foi assistente de realização — um colaborador recorrente e persistente, nessas funções de assistência, de chefia de segunda equipa, ou em tarefas de produção. Foi ele o realizador do único filme, nos últimos 30 anos, em que Clint foi actor sem se dirigir, pelo menos “oficialmente”, a si próprio (As Voltas da Vida, no princípio da década passada). E, portanto, perante este Missão Inesperada, logo a priori se fareja que o universo de Clint Eastwood não pode estar muito longe, mesmo se não há sinal dele, nem mesmo da sua casa de produção (a Malpaso, que produziu a estreia de Lorenz na realização, esse citado As Voltas da Vida).