Do GPS de André Rocha vai nascer uma rota pedestre que liga a costa portuguesa de lés-a-lés

O fundador do The Escapist deu a última aula do semestre na universidade e no dia seguinte partiu para uma aventura de mais de 900km em que vai percorrer a pé o litoral português.

Foto
André Rocha fotografado à chegada à Foz do Douro. Miguel Marques Ribeiro

Habituado a uma vida profissional intensa, André Rocha, um gestor natural do Porto, que é também advogado e professor universitário, decidiu enfrentar o desafio de fazer a pé “a linha costeira que une todas as praias do país”. Durante algumas semanas, o fato e sapatos normais de trabalho dão lugar ao equipamento de caminhada: “Andarei por todas as marginais, praias, estradões, enseadas e escarpas da nossa costa”, garante André Rocha, com o objectivo de fazer os 900km da costa   mais uns pozinhos – que unem Caminha a Vila Real de Santo António, o ponto mais a norte com o ponto mais a este do país.

A partida ocorreu na quinta-feira, dia 2 de Junho. Na véspera, confessava aos alunos de MBA da Porto Business School o desejo de que a última aula do ano lectivo passasse a correr. Era a derradeira obrigação depois da qual poderia lançar-se na nova aventura, um projecto que André baptizou de Grande Rota 76. O nome surge do cruzamento do seu ano de nascimento com a famosa estrada que liga a costa leste e oeste dos Estados Unidos. A gravação que vai fazer do percurso no GPS ficará disponível para quem queira usá-la nas suas próprias viagens. A ideia é definir um caminho que “possa ser replicado” por qualquer pessoa, com toda a segurança. Depois, cabe a cada um decidir o que fazer com a rota: percorrê-la em parte ou na totalidade. Será “um complemento perfeito para a oferta turística do nosso país”, acrescenta o gestor.

DR
Fotogaleria

Consigo leva só o estritamente necessário: duas mudas de roupa (t-shirt e calções), uns calções de banho, umas sandálias de apoio para a noite, um canivete suíço, um casaco e um polar. O computador, contudo, acabou mesmo por ter que ir para a mochila e é o que está a pesar mais nos ombros do portuense. Há obrigações profissionais inadiáveis a cumprir ao longo da viagem, às quais terá que dedicar algum tempo no final de cada dia.

A Fugas foi ao encontro de André Rocha na sua passagem pelo Porto. Ao fim do segundo dia de caminho é perceptível que o desafio é exigente do ponto de vista físico. Implica percorrer, em média, cerca de 50km diários durante 19 dias. O gestor contudo, não desarma: “Está a correr bem. Estou a começar a descobrir coisas que nem sonhava que existiam na costa.”

Caminhar para parar

Mais importante que as praias é “o caminho que as une”, sublinha André Rocha. Caminhar é uma verdadeira “filosofia”, que tem origens na Grécia Antiga, mais concretamente na escola dos peripatéticos   palavra que significa “aqueles que caminham”. Aos trinta, quarenta anos atingimos o “pináculo da pressão” e é importante encontrar formas de parar para não sermos “levados na enxurrada”. Fazer caminhadas é uma boa estratégia, porque enquanto o fazemos “o cérebro ganha uma personalidade diferente da do dia-a-dia”. A repetição do movimento “liberta o processo intelectual” e arrumamos a nossa casa interior: abrem-se gavetas que estavam fechadas há muito tempo, deita-se fora a “tralha intelectual” de que não precisamos para nada. “A única coisa que temos que fazer é pôr um pé à frente do outro. O nosso cérebro está livre para ir para onde lhe apetecer, para arrumar esses tais assuntos antigos e para pensar em estradas novas para o futuro também.”

Há alguns anos, André fundou o The Escapist, uma organização sem fins lucrativos de caminhadas que reúne pessoas de todo o país para a realização de expedições terrestres. Até ao momento, já organizou mais de 15 saídas (denominadas The Great Escapes) em Portugal Continental, Açores e Espanha. “Hoje em dia é difícil conhecer as pessoas. Quando vamos jantar com amigos, a conversa fica ali numa primeira camada, mas se vamos andar com eles quatro dias a pé, passamos a ter tempo para ir para outras fatias do que são as nossas relações com essas pessoas.”

Foto
Foz do Douro, um dos locais de passagem da Grande Rota 76, concebida por André Rocha. Miguel Marques Ribeiro

A evolução da Grande Rota 76 pode ser acompanhada no Instagram e Facebook, onde André vai postando actualizações dos locais por onde vai passando. Vários amigos vão acompanhá-lo em algumas partes do percurso: “Tenho a sorte de ter amigos pelo país todo, portanto acho que vou ter a sorte de encontrar uns quantos.” Dia 20 deverá chegar ao destino, junto às margens do rio Guadiana. Até lá, garante: “Onde vir o mar, estou por lá perto.”

Texto editado por Sandra Silva Costa