Sob transe, nos ritmos e nas cores das pinturas de Francisca Carvalho

Na Galeria Municipal da Almada, a artista Francisca Carvalho apresenta um conjunto de pinturas realizadas a partir de processos de tinturaria. Em que os corpos fragmentados sugerem uma erótica e um humor inspirados nos elementos naturais, na música e nas cores. Até 12 de Junho.

Foto
Daniel Rocha

Em tecido de algodão, as pinturas de Francisca Carvalho (Coimbra, 1981) provocam uma espécie de transe. Padrões entrecortados, ritmos, cores, recortes de corpos, genitália vão-se despegando das superfícies na Galeria Municipal de Arte, Almada. Ao fim de alguns minutos, envolvem quem passa e vê. O efeito é físico, sensorial, mental. Poético e erótico. Com esta imperfeita sinopse, introduz-se a experiência de Às nonas, Midas nos dedos medram e mondam, exposição individual da artista na cidade da margem sul do Tejo. No espaço, as cores, feitas de tintas vegetais e naturais, vão ressoando dentro e à volta dos contornos. “Tem muito a ver com a materialidade da cor, a cor como matéria”, sugere a artista. “São [o resultado] de processos de tinturaria muito antigos, alguns com milhares de anos, no Oriente e, sobretudo, na Índia”. Processos que conheceu neste país com o apoio de bolsas das fundações Oriente e Calouste Gulbenkian. “Visitei o Rajastão e o Gujarat [estados da Índia]. Na primeira vez, durante seis meses, estive numa pequena fábrica onde aprendi com os tingidores.”, conta. “É um processo lento. Quando as comecei a fazer, transformei o meu atelier numa cozinha. As cores que se vêem aqui são as possíveis”.