China

“Ministério da Privacidade” usa tecnologia de ponta para controlar minorias na China

O Governo chinês utiliza software de reconhecimento facial como ferramenta de opressão contra as minorias uigur e cazaque, na zona Oeste do país. O projecto 2091: The Ministry of Privacy, de Maxime Matthys, é um dedo apontado às autoridades chinesas e pode ser visto no Centro Português de Fotografia, no âmbito da segunda edição da Bienal'21, Fotografia do Porto.

©Maxime Matthys
Fotogaleria
©Maxime Matthys

Durante uma semana, o fotógrafo belga Maxime Matthys esteve em Xinjiang, no Oeste da China, a região onde o Governo chinês conduz, sob o olhar do mundo, um conjunto de medidas repressivas graves contra as minorias muçulmanas uigur e cazaque. "Algumas das mais avançadas tecnologias de vigilância, que incluem o uso de software de reconhecimento facial, estão a ser utilizadas [pelo Governo chinês] de forma massiva na região, de forma a controlar cada movimento dos seus habitantes", explica no seu site o fotógrafo de 25 anos, autor do projecto 2091: The Ministry of Privacy, em exposição no Centro Português de Fotografia, no âmbito da segunda edição da Bienal'21 Fotografia do Porto. O projecto decorre de uma fuga de informação, em Fevereiro de 2019, que dá conta da existência de uma empresa de vigilância chinesa que controla, a partir de 6,7 milhões de dispositivos electrónicos, os movimentos de mais de 2,5 milhões de pessoas da região de Xinjiang. 

Maxime sabia, ao chegar, que não poderia fotografar abertamente aquilo que seria, para si, o mais interessante, ou seja, as câmaras de vigilância, as movimentações da polícia. O controlo governamental chinês é rigoroso. Ainda assim, o belga foi detido pelas autoridades no primeiro dia em que saiu para a rua para fotografar. Tinha apontado a câmara, sem se aperceber, a dois polícias que estavam a uma larga distância. Nos dias seguintes, foi constantemente seguido por um polícia à paisana, que Maxime garante que dormia no mesmo hotel. As suas fotografias passaram a ser revistas diariamente pelos agentes, para que fosse contido qualquer tipo de informação considerada sensível.

Sem liberdade de movimentos, debaixo de um controlo apertado, Maxime tomou uma decisão: faria fotografia de rua e utilizaria elementos gráficos para comunicar a sua mensagem. "Para isso, desenvolvi, em conjunto com um engenheiro informático francês, um software de reconhecimento facial", explica no site. "Ao transferir as imagens para o computador, o software desenhava a informação biométrica sobre os rostos das pessoas nas fotografias." Através desse processo, o projecto revela "o poder de penetração e o perigo deste tipo de tecnologia invisível". No final, apesar das condicionantes, Maxime realizou o projecto que desejava. 2091: The Ministry of Privacy é, simultaneamente, um registo do quotidiano desta população ameaçada "antes do seu desaparecimento", sublinha, e um dedo apontado ao Governo chinês. 

©Maxime Matthys
©Maxime Matthys
©Maxime Matthys
©Maxime Matthys
Aons and restaurants are equipped with surveillance cameras that record the visitors’ every movement.
Aons and restaurants are equipped with surveillance cameras that record the visitors’ every movement. ©Maxime Matthys
©Maxime Matthys
©Maxime Matthys
Sugerir correcção