IAN estreia videoclipe de Again com Pedro Oliveira, dos Sétima Legião a apresenta álbum ao vivo

É mais um tema do álbum de estreia de IAN, nome escolhido por Ianina Khmelik para o seu projecto a solo. Conhecida pelo seu trabalho como primeiro violino na Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música, IAN tem vindo a publicar como cantora e compositora várias canções e videoclipes desde 2018, participando inclusive no Festival da Canção de 2021 com o tema Mundo. Esta quarta-feira lança Again, novo single e videoclipe que conta com a participação de Pedro Oliveira (Sétima Legião), cantando ambos em português na segunda metade da canção. Este é o terceiro videoclipe de IAN filmado por Noah Grace, seu amigo de longa data, depois de Spring or desire, de 2018, e What the eyes cannot see, estreado já em Janeiro de 2021. Outras canções suas já divulgadas e ainda disponíveis no YouTube são Stop stop never (2018), Boarding now (2019), Good girl, Temporary perfect e Bloody Paradise (estas três de 2020).

Nascida em Moscovo, em 1983, Ianina Khmelik iniciou os estudos musicais na capital russa com cinco anos, ingressando mais tarde na Escola Profissional de Música Gnessin, na classe de L. Shevrekuko, onde aos oito anos fez a primeira tournée com a Gnessin Virtuosos Orchestra. Em 1995 venceu o 2.º prémio no Concurso para Jovens Músicos de Moscovo e em 1996 foi estudar para a Holdstadt Schulle em Schlewig-Holstein, na Alemanha, antes de, aos 15 anos, se instalar em Portugal.

O álbum de estreia de IAN chama-se RaiVera e tem nove temas originais. Além da já citada participação de Pedro Oliveira, teve a produção a cargo de Nuno Gonçalves (The Gift) e vai ser apresentado ao vivo no Porto e em Lisboa, primeiro na Casa da Música (dia 6 de Junho, na Sala 2, às 18h) e depois no Teatro Maria Matos (dia 8 às 20h). RaiVera, segundo o comunicado que anuncia o single Again, é um neologismo composto que, em russo, significa “paraíso” (rai) e “fé” (vera). “O título esperançoso pode enganar pelo seu aparente otimismo quando comparado com o que dizem as nove canções do disco. Mas ao mesmo tempo não o desmentem”.

Sugerir correcção