Após 45 dias, mulher com nacionalidade portuguesa libertada pelos raptores em Moçambique

Esposa de um empresário da hotelaria regressou ao convívio da família, em Nampula.

Foto
Maputo, capital de Moçambique Nuno Ferreira Santos

Uma mulher de 49 anos residente no norte de Moçambique e com nacionalidade portuguesa, raptada em 13 de Abril, foi libertada esta sexta-feira, disse à Lusa fonte que acompanhou o caso.

A vítima, cônjuge de um empresário com actividade na área da hotelaria, regressou ao convívio da família, em Nampula, após 45 dias de cativeiro, desconhecendo-se detalhes da libertação, acrescentou a mesma fonte.

O rapto aconteceu em Maputo, durante o dia, depois de a vítima deixar o edifício do consulado português na Avenida Mao Tse Tung, uma das principais vias da capital.

Quando se dirigia para o seu automóvel, foi interceptada por desconhecidos numa viatura ligeira e com uma arma que se suspeita que fosse uma AKM47, referiu na altura fonte policial.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, anunciou em Dezembro a possibilidade de criação de uma unidade policial anti-raptos para combater a onda de crimes, com 11 casos registados durante 2020.

A CTA - Confederação das Associações Económicas de Moçambique, maior agremiação patronal do país, também já exigiu por diversas ocasiões um combate severo a este tipo de crime que tem visado empresários e seus familiares.