A luta de Ana Tijoux é uma só: contra a violência

Esta sexta-feira arranca a segunda edição do Festival do Maio, no Seixal, dedicado à música de protesto. A rapper chilena, crente de que qualquer violência sobre o outro é para combater, encabeça a noite de abertura.

Foto
A música de Ana Tijoux é abertamente política e contestatária, mas ela não gosta da "gaveta" canção de protesto dr

Ana Tijoux não se considera uma cantora de protesto. Talvez, simplesmente, porque não gosta de ser engavetada — por mais que a gaveta até possa ser-lhe confortável — em categoria alguma. As categorias, claro, limitam, reduzem o alcance, tornam a visão mais estreita e fecham interpretações. Mas não custa à rapper chilena reconhecer, em conversa com o PÚBLICO, que são sobretudo as injustiças que impulsionam a sua escrita. “É esse o eixo da minha obra, sim”, admite. E é fácil encontrar provas de que assim é.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários