Autárquicas: IL acredita eleger em Lisboa apesar de “eleição particularmente difícil”

Bruno Horta Soares é o candidato da Iniciativa Liberal em Lisboa.

Foto
O presidente do Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo (esquerda), com o candidato do partido à Câmara Municipal de Lisboa, Bruno Horta Soares (direita) LUSA/ANTÓNIO COTRIM

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, disse este domingo acreditar que o partido vai eleger membros para o executivo municipal de Lisboa, que sairá das autárquicas deste ano, apesar da “eleição particularmente difícil”.

“A nossa participação eleitoral em Lisboa tem sido crescente e, portanto, temos óptimas hipóteses de eleger em Lisboa e é importante para percebermos que aquilo que defendemos para o liberalismo nacionalmente tem aplicação local”, disse aos jornalistas o presidente e deputado único da IL, no final da apresentação oficial do candidato à Câmara Municipal de Lisboa, Bruno Horta Soares, que decorreu no Jardim do Campo Grande.

“É uma eleição particularmente difícil, como sabemos, dada a polarização que se vai verificar em Lisboa”, acrescentou Cotrim de Figueiredo.

O presidente da IL disse que o partido mantém os motivos que o levaram a não integrar a candidatura eleitoral encabeçada por Carlos Moedas (coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT/Aliança), porque acreditam ser “capazes de retirar mais votos à esquerda, ao Partido Socialista e a Fernando Medina [actual presidente da câmara, do PS] indo sozinhos, do que integrados numa frente eleitoral que acabará dominada pelos partidos que a compõem”.

Questionado sobre o que consideraria uma derrota da IL nas eleições autárquicas, Cotrim de Figueiredo respondeu: “Ter menos votos do que tivemos na eleição de Tiago Mayan [candidato nas últimas eleições presidenciais]”.

O candidato da Iniciativa Liberal (IL) à presidência da Câmara Municipal de Lisboa, Bruno Horta Soares, disse hoje ambicionar uma cidade mais inteligente e querer aproveitar o potencial de uma agenda liberal a nível local.

“A minha visão para a cidade é uma cidade mais inteligente, que está sobretudo relacionado não com os ‘outputs', não com os resultados, mas com criar uma máquina que verdadeiramente consiga trazer uma agenda liberal, para tirar todo o potencial a partir daí”, disse aos jornalistas Bruno Horta Soares, no final da apresentação oficial do candidato do partido à Câmara de Lisboa, nas eleições autárquicas deste ano, que decorreu no Jardim do Campo Grande, sob o mote “Está na hora de libertar Lisboa”.

A IL apresenta este ano pela primeira vez uma candidatura à Câmara de Lisboa, mas acredita que irá alcançar resultados que darão “muita esperança a uma agenda liberal na cidade”.

O executivo é actualmente composto por oito eleitos pelo PS (no qual se incluem os Cidadãos por Lisboa), um do BE (que tem um acordo de governação do concelho com os socialistas), quatro do CDS-PP, dois do PSD e dois do PCP.

As eleições autárquicas deste ano não têm ainda data marcada, mas, de acordo com a lei, terão de decorrer entre Setembro e Outubro.