Morreu a actriz Eva Wilma

A actriz de televisão, teatro e cinema tinha 87 anos. Estava internada desde Abril num hospital de São Paulo devido a um cancro do ovário.

Foto
Eva Wilma DR

A actriz de brasileira Eva Wilma morreu este sábado aos 87 anos no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde estava internada desde Abril devido a um cancro de ovário. A notícia foi confirmada pela assessoria de imprensa da artista, citada pela imprensa brasileira.

Com uma carreira que chegou às sete décadas de representação no cinema, no teatro e na televisão, Eva Wilma é mais conhecida em Portugal pelos seus papéis em telenovelas brasileiras como Ciranda de Pedra (1981), Guerra dos Sexos (1983), Sassaricando (1987), Pedra sobre Pedra (1992), O Rei do Gado (1996) ou A Indomada (1997). Nos palcos portugueses, contracenou com Eunice Muñoz na peça Madame, de Maria Velho da Costa, em 2000, numa encenação de Ricardo Pais para o Teatro Nacional São João o Teatro Nacional D. Maria II. O espectáculo ficcionava o encontro entre duas figuras literárias icónicas e praticamente contemporâneas, a brasileira Capitu, personagem do romance Dom Casmurro (1899), do escritor brasileiro Machado de Assis, e a portuguesa Maria Eduarda, de Os Maias (1888), de Eça de Queirós.

Nascida em São Paulo a 14 de Dezembro de 1933, filha de um imigrante alemão e de uma judia argentina de ascendência russa, começou a dar os primeiros passos no mundo do espectáculo como bailarina clássica no São Paulo Ballet aos 14 anos, tendo tido a sua primeira experiência de representação na peça de teatro em 1952, na peça Uma Mulher e Três Palhaços, onde contracenou com o seu futuro primeiro marido, John Herbert. Um ano depois, estreou-se no grande ecrã como figurante na comédia Uma Pulga na Balança, de Luciano Salce.

A estreia na televisão aconteceu também em 1953, na série Namorados de São Paulo, onde começou por contracenar com Mário Sérgio. Este acabou por ser substituído por John Herbert e o título do programa foi alterado para Alô Doçura!, inspirado na sitcom norte-americana I Love Lucy. A série marcou o panorama televisivo brasileiro, tendo estado no ar mais de dez anos, um recorde no Brasil, e lançou o par (que casou em 1955) para o centro do entretenimento brasileiro nas décadas de 50 e 60. A actriz tornou-se figura das novelas da Rede Tupi e, mais tarde, a partir da década de 80, da Rede Globo.

No final dos anos 70 teve a oportunidade de fazer uma audição para entrar no filme Topázio (1969), de Alfred Hitchcock, mas não foi seleccionada para o papel. Valeu-lhe o consolo de não ter sido um dos melhores filmes do cineasta britânico, com quem chegou a discutir em português. “Eu assisti e dizia para mim mesma: ‘esse papel não era para mim'”, disse numa entrevista televisiva em Agosto do ano passado, citada pelo jornal Folha de S. Paulo. “Mas era para me conformar mesmo, pois eu queria ter feito”, logo acrescentou.

Eva Wilma deu entrada no hospital Albert Einstein a 15 de Abril devido a problemas cardíacos e renais, tendo-lhe sido entretanto diagnosticado um cancro de ovário. Deixa dois filhos do primeiro casamento com John Herbert, que durou até 1976, e nenhum do segundo, com o actor Carlos Zara, com quem esteve 23 anos.