SOS justiça II

É em nome do mesmo comprometimento de sempre com a causa pública que me manda a consciência que não fique calado, sem apontar soluções, perante o risco que vejo adensar-se de um dia poder ser tarde para corrigir as disfuncionalidades que abundam.

Referi no artigo anterior que as propostas do Governo relativas à prevenção e ao combate à corrupção, devido ao alcance limitado (além de erróneo, a vários títulos) do seu propósito, não respondem a muitos problemas relevantes para o bom funcionamento da justiça. Sobretudo se se quiser conciliar as exigências de um processo leal com as da administração da justiça em tempo útil.