O conflito da Groundforce já não se aguenta

Num conflito em que a retaliação parece sempre sobrepor-se à procura de soluções, em que o poder do Estado deixou de se exercer através da autoridade natural, em que um empresário se julga inimputável, é impossível acreditar numa boa solução

O conflito entre os dois sócios da Groundforce (ou, se preferirem, entre o ministro Pedro Nuno Santos e o empresário Alfredo Casimiro) chegou a um ponto insustentável. É preciso alguém para o arbitrar, garantir a racionalidade nas negociações, impor a defesa do interesse público e evitar que o caso se transforme num pueril braço-de-ferro dominado pelo orgulho e a testosterona. Há muito que deixou de fazer sentido determinar quem nesta longa e lamentável história tem culpa ou quem tem razão – embora seja obrigatório atribuir responsabilidades. O que nesta fase importa é apaziguar as animosidades viscerais e garantir que todas as partes contribuem para uma solução capaz de proteger a empresa, evitar injecções de dinheiro do Estado e garantir que no próximo mês os seus trabalhadores vão receber salários.