Feios, gulosos e maus

O autor de Shitz (Hanoch Levin) só dá a ver o lado mau da coisa, e o encenador (Toni Cafiero) encontra uma perspectiva ainda pior do ser humano enquanto cria um cabaré burlesco e patético onde a grosseria é uma atitude.

cultura,critica,teatro,culturaipsilon,israel,
Fotogaleria
rui mateus
cultura,critica,teatro,culturaipsilon,israel,
Fotogaleria
rui mateus
cultura,critica,teatro,culturaipsilon,israel,
Fotogaleria
rui mateus
cultura,critica,teatro,culturaipsilon,israel,
Fotogaleria
rui mateus
Fotogaleria
rui mateus

Humanidade, daquela nascida da empatia com o outro, essa, não, não se encontra nesta peça. Agora, humanidade no sentido do conjunto de características próprias da natureza humana, sim, essa faz parte desta representação metafórica. Com um senão: o autor só dá a ver o lado mau da coisa, e o encenador encontra uma perspectiva ainda pior do ser humano enquanto cria um cabaré burlesco e patético onde a grosseria é uma atitude.

Sugerir correcção
Comentar